Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians
Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians

Carille mantém ótimo retrospecto em clássicos: 'Grupo tem personalidade'

Técnico tem 70% de aproveitamento contra Santos, Palmeiras e São Paulo

João Prata, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2019 | 11h10

O técnico Fábio Carille carrega um desempenho impressionante em clássicos. Desde que assumiu o Corinthians, em 2017, foram 25 confrontos com Santos, Palmeiras e São Paulo, com 15 vitórias, 7 empates e somente 3 derrotas, aproveitamento de 70%. 

"Juro que não sei como explicar o que acontece. Do mesmo jeito que eu me preparo e preparo os atletas para jogar clássicos, preparo para jogar contra equipes menores. São as mesmas instruções e reuniões. É um time que cresce em clássicos. Isso mostra um grupo que tem personalidade. Muito orgulhoso desse grupo e da determinação de todos eles", comentou.

As derrotas, vale destacar, foram em jogos que não causaram grandes problemas para o Corinthians. A primeira foi para o Santos (2 a 0) pelo Campeonato Brasileiro. Na ocasião, o time de Carille liderava a competição com folga e ficou "apenas" sete pontos à frente do Grêmio após o tropeço. 

Depois, perdeu para o São Paulo por 1 a 0 no jogo de ida da semifinal do Paulistão do ano passado. Na volta, o time alvinegro venceu por 1 a 0 e avançou para a decisão com uma vitória nos pênalti. Na sequência, na final, a mesma coisa: derrota para o Palmeiras por 1 a 0, vitória pelo mesmo placar e a conquista nos pênaltis.

Se garantir um lugar na decisão, o Corinthians, de Carille, já sabe que terá mais um clássico pela frente já que a outra semifinal é entre Palmeiras e São Paulo - as equipes empataram o jogo de ida por 0 a 0.

"Temos uma vantagem. E em clássico, em jogo decisivo, toda vantagem é importante", declarou. Sobre o jogo de volta contra o Santos, disse: "É um time que evita cruzamento na área, porque o seus atacantes não são de bola aérea. Temos que estar muito concentrados em cruzamento rápidos pelo chão ou passes para trás. Fiz isso ano passado quando joguei com Rodriguinho e Jadson. Conseguimos anular bem essa ideia do Santos fechando a entrada da área", encerrou.

  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.