Ivan Storti/Santos
Ivan Storti/Santos

Carille projeta Santos na Sul-Americana, mas ressalta que time ainda não escapou do rebaixamento

Com 46 pontos na tabela de classificação do Brasileirão, treinador espera vencer mais uma partida para confirmar permanência e buscar vaga no torneio internacional

Redação, Estadão Conteúdo

29 de novembro de 2021 | 11h05

Mais tranquilo com a situação do Santos no Brasileirão, o técnico Fábio Carille admite que a nova meta da equipe é buscar a vaga na próxima edição da Copa Sul-Americana. Apesar de afirmar que o risco de rebaixamento ainda existe, o treinador minimizou as preocupações em relação à zona da degola.

"Muita gente não acreditava. Mas o campeonato está nos dando uma oportunidade de buscar algo no nosso continente, uma Sul-Americana, faltando duas rodadas. Vamos nos preparar para este dois jogos, somar o máximo de pontos possíveis e ver o que o campeonato vai nos mostrar", disse o treinador.

Com 46 pontos, Carille espera obter ao menos uma vitória nas duas últimas partidas da equipe no Brasileirão. "Com 49, a chance é grande para se classificar para a Sul-Americana. Colocar o Santos nesses campeonatos, nesses torneios do nosso continente, vai ser prazeroso não só para nós da comissão, atletas, mas para a torcida também."

O técnico, no entanto, reforçou que o Santos ainda não escapou matematicamente do rebaixamento. "Matematicamente, ainda não posso comemorar. Tem equipes ainda, se não me engano, com 40 pontos caindo, uma dentro e uma fora da zona de rebaixamento. São duas rodadas. Claro que sei que as chances de permanecer com 46 pontos são grandes, mas matematicamente não nos dá o direito de pensar assim ainda."

Num breve balanço de sua curta passagem pelo Santos até agora, o treinador fez uma avaliação positiva e disse que somente agora a equipe está ficando com a sua "cara". "Hoje já são 18 comigo, não dá para trabalhar porque é pouquíssimo (tempo) para treino e jogo. Mas já temos uma cara, organizamos lá trás. Tem jogos que conseguimos criar bastante, outros ainda não. Há tempo para tudo. Mas temos que sonhar alto. Com duas rodadas, com 49 pontos, dá chance enorme de Sul-Americana, temos que buscar. Não vamos nos contentar."

Ele lembrou que, quando chegou à Vila Belmiro, o time vinha de uma fraca série de resultados, tornando o clube forte candidato à queda para a Série B. "Sei que tinha um ar de pessimismo muito grande. Acho que o Santos nunca passou por isso. Conseguimos reverter com ajuda e dedicação de todos. E vamos nos entendendo a cada dia que passa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.