ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

Carille se irrita com torcedor corneta do Corinthians: 'Falou por dez minutos'

Treinador responde a corintiano que reclamava da presença de Marquinhos Gabriel na equipe

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2018 | 16h02

O técnico do CorinthiansFábio Carille, sabe o que é contar com o apoio de mais de 40 mil vozes, a exemplo do que se viu durante o empate em 1 a 1 com o Ceará, pelo Campeonato Brasileiro. Neste domingo, porém, ele também conheceu o poder que só uma delas tem de irritar. Durante o primeiro tempo, ele acabou respondendo a um "corneta" localizado perto do banco de reservas que lhe cobrava por insistir na manutenção de Marquinhos Gabriel entre os titulares.

+ Roger festeja estreia no Corinthians, mas não se perdoa por gol perdido

+ 'Arbitragem tem medo de apitar a favor do Corinthians', desabafa Gabriel

+ TEMPO REAL: Veja como foi Corinthians 1 x 1 Ceará

"Tinha um torcedor que falou ali por mais de dez minutos. Esse não é torcedor. Torcedor é aquele que vem para apoiar", reclamou Carille, na entrevista coletiva.

O episódio foi flagrado pelo repórter Thiago Crespo, do canal Premiere, que fazia a transmissão da partida. De acordo com o relato do jornalista, o diálogo entre treinador e torcedor se deu ao fim do primeiro tempo, após o fã cobrar Carille: "Estamos jogando com dez, esse Marquinhos Gabriel não está fazendo nada", esbravejou o torcedor. Após escutar por um tempo aos protestos, o técnico alvinegro se virou para trás e respodeu: "Você já falou! Agora fica quietinho".

De fato, o jogador não fez boa apresentação, tanto que acabou substituído aos 11 minutos do segundo tempo, por Mateus Vital, que entrou e deu outra dinâmica ao setor ofensivo corintiano. 

Momento negativo?

Questionado a respeito da sequência da equipe, que não vence há quatro partidas, o treinador se mostrou tranquilo, mas admitiu que há uma preocupação. E deu a receita para voltar à boa fase: ainda mais suor.

"Não incomoda, mas abre os olhos para muitas coisas. A gente fica alerta. Poderíamos ter segurado jogadores contra o Atlético-MG, mas falar agora é fácil. Não conseguimos o resultado por erros nossos. Mas não podemos lamentar, e sim, trabalhar", afirmou.

A respeito da série complicada que o Corinthians terá pela frente – depois do Vitória, quinta, pela Copa do Brasil, vem o Dérbi diante do Palmeiras, domingo –, Carille preferiu não fazer projeções a longo prazo: "Minha cabeça é jogo a jogo. Agora é pensar no Vitória. Está muito difícil trabalhar uma ideia só. Imagina pensar no Palmeiras?", indagou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.