JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Carille supera seu 'professor' e Corinthians bate o Cruzeiro na arena

Balbuena marca de cabeça e time alvinegro completa 20 jogos consecutivos sem derrota

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2017 | 23h38

O Corinthians fez mais uma vítima em sua arena e desta vez, o jogo foi especial para Fábio Carille. Em um jogo bem disputado, o time alvinegro derrotou o Cruzeiro por 1 a 0, nesta quarta-feira, chegou aos 20 jogos invictos consecutivos na temporada e fez com que o aluno Carille derrotasse o professor Mano Menezes.

Carille fez estágio com Mano em 2007 (no Grêmio) e chegou ao Corinthians para ser auxiliar do atual treinador do Cruzeiro, em 2009. O tempo passou, o corintiano cresceu profissionalmente e nesta quarta-feira conseguiu mais um resultado usando o esquema tático praticamente idêntico ao que Mano gosta de usar. 

Os dois times entraram com esquema táticos muito parecidos. Carille parece ter aprendido com o professor Mano Menezes. As duas equipes foram a campo com um 4-5-1 em que os meias caíam pelas pontas para ajudar os laterais no ataque.

Entretanto, Carille e Mano Menezes, apesar do tempo de carreira bem distintos, possuem uma característica semelhante e marcante, que é a forte marcação. Assim, o que se viu na primeira etapa foi um jogo de duas equipes com enormes dificuldades em finalizar, graças ao bom posicionamento de seus defensores.

O Corinthians tinha mais a posse de bola, mas não conseguia chegar na linha de fundo, tampouco arriscar de fora da área. Henrique e Ariel Cabral fecharam bem o meio da área. Mas, além da marcação, o time de Carille tem uma outra característica que se fez necessário nesta quarta-feira: a paciência.

Aos poucos, os corintianos foram ganhando espaço e chegando na área. Aos 31, Marquinhos Gabriel, em um raro momento de distração da defesa cruzeirense, passou por três marcadores e dentro da área tentou achar Jô, mas o atacante foi desarmado.

Assim, o jeito foi tentar na bola parada. E aos 42, Jadson cobrou escanteio para o meio da área, onde Balbuena saltou muito alto e cabeceou com estilo para abrir o placar. Os zagueiros só ficaram olhando e mesmo se tivessem pulado, provavelmente não teriam chegado na bola.

Na segunda etapa, Mano tirou Henrique e colocou Alisson, para ir em busca de pelo menos um ponto. A equipe mineira melhorou e conseguiu ter mais a bola no pé. O problema, entretanto, continuou sendo a boa marcação corintiana, que fez com que a posse de bola cruzeirense quase não ameaçasse Cássio. Exceto por uma oportunidade em que Ábila ficou de frente para o gol e, mesmo sem goleiro, conseguiu fazer o mais difícil e mandou por cima do gol. 

Não satisfeito em fazer uma grande partida lá atrás, Pablo se aventurou no ataque e tentou marcar o seu, como fez o companheiro Balbuena. Em dois minutos, o zagueiro acertou duas cabeçadas certeiras em que o goleiro Fábio precisou realizar defesas espetaculares para salvar os mineiros. 

Nos minutos finais, o Cruzeiro voltou a pressionar e no último minuto, Cássio precisou fazer uma grande defesa para garantir o empate. Vale ressaltar, porém, que o Corinthians também abdicou de atacar nos 30 minutos finais. 

No fim, Carille venceu mais uma contra um de seus professores. Vale lembrar que, no ano passado, ele comandou o Corinthians de forma interina contra o Cruzeiro, pela Copa do Brasil, e venceu a partida por 2 a 1. Novamente, o aluno levou a melhor.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS: Cássio; Paulo Roberto, Pablo, Balbuena e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Marquinhos Gabriel (Clayson), Jadson (Giovanni Augusto) e Romero; Jô

Técnico: Fábio Carille

CRUZEIRO: Fábio; Ezequiel, Léo, Murilo e Diego Barbosa; Henrique (Alisson), Ariel Cabral, Lucas Romero, Thiago Neves (Rafael Marques) e Rafinha (Rafael Sobis); Ábila

Técnico: Mano Menezes

GOLS: Balbuena, aos 42 do 1º Tempo

CARTÕES AMARELOS: Henrique (Cruzeiro)

PÚBLICO: 30.465 pagantes

RENDA: R$ 1.462.205,40

JUIZ: Leandro Pedro Vuaden (RS)

LOCAL: Arena Corinthians, em São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.