Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Carille vira 'cabo eleitoral' de Rodriguinho na seleção brasileira

Técnico faz questão de sempre falar que o meia merece ser convocado para a Copa na Rússia

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2018 | 07h00

Destaque do Corinthians na temporada, Rodriguinho não desiste do sonho de disputar a Copa na Rússia. Para conseguir convencer o técnico Tite a convocá-lo para a seleção brasileira, o meia conta com um cabo eleitoral de peso. Fábio Carille tem ajudado com entrevistas e mudanças no esquema tático para fazer com que o jogador se destaque ainda mais e consiga estar entre os 23 convocados. 

+ TJD arquiva processa da final entre Corinthians e Palmeiras

+ Emerson Sheik volta aos treinos e pode reforçar o Corinthians

+ Podcast Corinthians: Sidcley é a personificação da boa fase corintiana

 

Após a partida contra o Paraná, quando Rodriguinho marcou mais um gol e chegou a nove na temporada, o treinador foi só elogios ao seu atleta. "Ele está fazendo por merecer”, disse o treinador, se referindo a possibilidade do meia ser convocado. “De 2016 para cá, ele deu só uma caída em uma parte do segundo semestre do ano passado. Em 2016, chamou a responsabilidade, jogou muito no segundo semestre, assim como no Campeonato Paulista e no primeiro turno do Brasileiro em 2017”, comentou o comandante corintiano.

No Corinthians, a informação é que Tite está observando não só ele como outras opções e ninguém sabe ao certo se ele estará ou não na lista. O protagonismo e o fato do meia aparecer em grandes jogos são motivos de sobra para a confiança do jogador estar em alta.

Rodriguinho não escondeu a frustração por não ter sido chamado para os últimos amistosos antes da convocação. Pouco tempo depois, outra decepção foi não ser eleito o craque do Campeonato Paulista. Ele perdeu a disputa para Jailson, do Palmeiras. 

No caso da seleção do Paulista, ela foi escolhida por jornalistas antes do segundo jogo da semifinal do Paulista. Logo, não foi levado em consideração as atuações de Rodriguinho contra o São Paulo (fez o gol que levou a decisão para os pênaltis) e as partidas contra o Palmeiras (inclusive o gol marcado no Allianz Parque). 

A mudança do esquema tático, em que o Corinthians deixou de ter centroavante, também ajudou no crescimento de Rodriguinho. O curioso é que o meia chegou a reclamar por não ter uma referência na área para passar a bola, mas a alteração lhe deu mais espaço para chegar ao ataque. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.