Cariocas mantêm bases sem investir

Mergulhados em uma crise financeira sem precedentes, os grandes clubes do Rio tentam formar suas equipes para a temporada de 2002 dando prioridade à manutenção da base do ano passado. A falta de dinheiro impediu que as vultosas transações de compra e venda de jogadores, comuns no início de cada ano, se realizassem. A continuidade do trabalho dos técnicos também foi uma alternativa adotada e, com isso, a torcida é para que a coletividade do elenco supere a carência de investimentos.Com uma dívida de aproximadamente R$ 140 milhões, o Flamengo tenta fazer malabarismos para reformular seu elenco. Os constantes desentendimentos entre seus jogadores também forçaram o clube a se desfazer de alguns dos principais nomes do elenco. O meia Beto já foi para a Grécia, o atacante Edílson está indo para o Cruzeiro e o meia Petkovic dificilmente continuará no clube. Petkovic tinha tudo para ser o ídolo da torcida rubro-negra, mas seu temperamento difícil contrasta com sua habilidade. A intenção é a de que o iugoslavo seja envolvido em uma troca-empréstimo com jogadores do Corinthians.Para não descaracterizar totalmente o Flamengo, os dirigentes do clube conseguiram contratar, por empréstimo de sete meses, o Juninho Paulista. O clube foi obrigado a dar garantias ao jogador de que os salários não serão atrasados, para não ter de lhe pagar, à vista, R$ 1 milhão.Já o Vasco, que não cumpriu com o pagamento de grande parte de seus compromissos financeiros durante 2001, estabeleceu o valor máximo de R$ 100 mil para o salário dos jogadores. A exceção fica para o artilheiro Romário. O objetivo dos dirigentes vascaínos é o de manter o artilheiro do Campeonato Brasileiro de 2001 e o atacante Euller na equipe. O presidente do clube, Eurico Miranda, garantiu que os dois renovarão contrato por mais seis meses. A maior novidade do time fica para o técnico mais experiente, em atividade no Brasil, Evaristo de Macedo.Animado com a perspectiva de comandar um time que tem o atacante Romário no elenco, Evaristo deixou claro sua intenção de modificar o mínimo possível a maneira de atuar do Vasco.No Botafogo, a esperança desta temporada está fora dos gramados. A contratação de Bebeto de Freitas, para o cargo de diretor-executivo, aumentou a confiança em dias melhores. Mesmo com as dificuldades, o dirigente já conseguiu contratar os volantes Romeu, ex-Corinthians, e Carlinhos, ex-Portuguesa-SP, mas perdeu o lateral-direito Leonardo para o Vasco. A tendência é a de o esquema tático da equipe não sofra alterações. O técnico Abel Braga permaneceu no Botafogo e afirmou que dará seqüência ao trabalho que começou a desenvolver no Brasileiro.Dos grandes clubes do Rio, o Fluminense é o único que não deve realizar contratações e permanecer com o grupo que chegou à semifinal do Brasileiro. O clube conseguiu renovar o contrato do técnico Oswaldo de Oliveira e, agora, luta para acertar a situação dos jogadores. O presidente do Fluminense, David Fischel, afirmou que a prioridade é a de renovar o contrato de seu atletas.

Agencia Estado,

05 de janeiro de 2002 | 16h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.