Carlos Alberto perde lugar até no banco

Não adiantou a superproteção do técnico Márcio Bittencourt, nem os jantares com Kia Joorabchian e muito menos a boa vontade de seus companheiros. Em péssima fase, Carlos Alberto não ficará nem no banco de reservas na partida de quinta-feira contra o Paysandu, às 20h30, no Pacaembu. Comprado por R$ 33 milhões, ele perdeu a posição para Rosinei. Márcio não quis abrir a possibilidade de que o meia retorne contra o Vasco, domingo, em São Januário. Segundo o técnico, "o Carlos Alberto não ficará nem no banco de reservas. Ele é um grande jogador, mas não está jogando bem. Preferi deixar dois atacantes no banco. Com o passar do tempo, o Carlos Alberto irá recuperar a sua melhor forma." A verdade é que não havia mais como fazer de conta não notar a falta de produtividade de Carlos Alberto. Ele está fazendo o contrário de Rosinei. "Conversei com o Carlos Alberto e fui franco sobre a maneira como ele está jogando. Entendeu e tudo bem, a vida segue", diz Márcio. O jogador não quis dar entrevistas, depois que viu confirmado Rosinei na sua vaga ao lado de Roger no meio de campo. E que até Abuda ficaria no banco e ele, não. Para deixar Carlos Alberto no banco de reservas, Márcio conversou várias vezes com Kia Joorabchian e com o diretor da MSI, Paulo Angioni. E percebeu que estava à vontade para tomar a atitude que fosse melhor para o time. Kia investiu milhões da MSI em jogadores jovens para revender para a Europa. Como Carlos Alberto não conseguia melhorar seu fraco futebol, o presidente da MSI acredita ser melhor deixá-lo um tempo longe da pressão para se recuperar. No Porto, onde foi campeão mundial interclubes, Carlos Alberto também não gostava quando ficava de fora de algumas partidas. O seu relacionamento com a imprensa portuguesa não foi bom. Muito pelo contrário. Era comum ele não dar entrevista quando não vivia boa fase. No Parque Ecológico, hoje, passou pelo vexame de sair até do time reserva para dar lugar a Abuda. Jogou apenas 30 minutos. A dúvida é como recuperar Carlos Alberto. Não há explicação para o seu fraco futebol. Márcio apela e repete que ele "é um ser humano e pode passar por uma má fase". Faz duas semanas que Márcio tentava justificar o fraco futebol do jogador. Ele já atuou em 29 partidas e marcou apenas quatro gols pelo Corinthians. Três de pênaltis e um de falta. Não fez nenhum com a bola rolando. Havia a esperança que, com a chegada de Mascherano, Carlos Alberto passasse a jogar melhor porque não teria mais de marcar. Pura ilusão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.