Carlos Alberto quer Love ao seu lado

"Os dirigentes do Porto precisam saber que Portugal é um ovo perto do Rio de Janeiro. Os torcedores do Corinthians são em maior número do que toda a população portuguesa. A proposta era para ganhar mais aqui. Eu não iria trocar de clube?" Ele ainda deu o maior apoio para Vágner Love pedir a liberação aos russos. "Eu quero o Vágner do meu lado, assim como o Tevez. Jogando comigo eles vão cansar de marcar gols." As primeiras declarações de Carlos Alberto deixam claro a personalidade forte que fez a MSI pagar 7 milhões (cerca R$ 25 milhões) ao Porto pelo jogador de 20 anos. Crucifixo e brincos de prata, o meia sorria provocativo a cada resposta que dava. Deixava claro acreditar demais no seu futebol. Depois dos exames médicos, assumiu que o Parque São Jorge deve abrir o caminho não só à Seleção Brasileira como para o Chelsea do técnico e amigo José Mourinho.Contrato é de quatro anos. Agência Estado - Por que você trocou o Porto pelo Corinthians? Carlos Alberto - Porque me agradou essa história de voltar para o Brasil, jogar em um clube de massa, ficar perto da Seleção e ainda ganhar mais. Quanto procurei os dirigentes do Porto, me perguntaram se eu sabia o que estava fazendo com a minha carreira. Respondi que sabia, sim. E tenho certeza que fiz o certo. Sei que o Corinthians e a MSI estão formando um grande time para ganhar os títulos mais importantes do Brasil e da América do Sul. Você está saindo do Porto com fama de indisciplinado... Não tem nada a ver. Não tive problema com ninguém. Pelo contrário. Os dirigentes queriam que eu continuasse. Pediram alto para a MSI não me liberar. Todos no Rio de Janeiro sabem do meu caráter. Isso é uma grande bobagem. Qual a participação do técnico José Mourinho, do Chelsea, na sua vinda ao Corinthians? Conversei com ele e me deu o maior apoio. Me fez ver que seria muito maior a chance de ser convocado para a Seleção Brasileira. Isso seria ótimo para a minha carreira. Não tenho passaporte comunitário europeu, não tenho nenhum parente, nada. Então, para ser negociado com grandes clubes europeus ficaria difícil sem a participação na Seleção Brasileira. Qual o caminho para fazer sucesso no Corinthians? O Neto (ex-jogador corintiano) me ligou e foi bem claro: eu tenho de chutar mais, fazer mais gols para cair no gosto da torcida. Meu estilo é outro. Eu gosto de construir as jogadas ofensivas. Mas pelo menos podem estar certos: jogando comigo o Tevez e o Vágner Love vão cansar de fazer gols. Vágner Love? Você acha que ele virá ao Corinthians? Fiquei com ele no Rio de Janeiro nesses dois dias. Conversamos muito. Eu falei para que conversasse com a diretoria do CSKA. Eles vão acabar liberando. Não tem jeito. Tenho certeza que dará certo. O Vágner, que é meu amigo, quer muito jogar no Corinthians. E quando o jogador quer, não tem jeito. Você dará certo em São Paulo? Tenho certeza. Não estou vindo à toa para cá. Vim para ser campeão do que disputar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.