Carlos Alberto Torres ainda reclama

?O que fizeram com a gente foi sacanagem.?? A frase dá a dimensão da revolta de Carlos Alberto Torres com a arbitragem na derrota do Paysandu para o Corinthians, por 2 a 0, quinta-feira, em Belém. A indignação do treinador era maior com o assistente Belmiro da Silva, que não deu impedimento de Nilmar no lance do primeiro gol corintiano e marcou impedimento inexistente de Rafael Moura na jogada que daria ao time paraense o gol de empate.Carlos Alberto Torres deu entrevista por telefone na tarde desta sexta-feira. Estava no Rio, onde iria participar de um evento da Associação Brasileira de Agentes de Viagem (ABAV),?junto com meu amigo Ricardo Rocha (o ex-zagueiro)??. Mas ainda não havia engolido os erros da arbitragem na derrota para o Corinthians.?Não vou dizer que o bandeira estava mal-intencionado ou é da Máfia do Apito??, disse o treinador, medindo as palavras, afinal o Paysandu tem adversários como Flamengo e Atlético-MG na luta contra o rebaixamento. ?Mas ele fez a diferença. Se fosse um ou outro erro, tudo bem, mas não o tanto que ele errou.??O técnico, porém, descartou a possibilidade de o Paysandu ir à CBF reclamar de maneira oficial da arbitragem. ?Não vamos fazer isso, nem adianta. Mas gritar eu vou. Depois desse negócio do tal do Edílson (Pereira de Carvalho, o ex-árbitro que confessou manipular resultado de partidas que apitou) todo cuidado é pouco. A gente precisa estar sempre alerta.??Apesar da situação delicada do Paysandu no Brasileiro, Carlos Alberto Torres acredita que o time permanecerá na primeira divisão. E argumenta: ?Pelos meus cálculos, sete equipes estão ameaçadas (a partir do Vasco, 16º colocado). Deles, vamos enfrentar Brasiliense, Atlético e Flamengo em casa. Dá para escapar??, avisou o capitão do tri.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.