Carnaval motiva França para a final

Viajar o mundo, conhecer pessoas famosas, conviver com mulheres bonitas, distribuir autógrafos e ganhar bastante dinheiro. Para muitos, tudo isso não existe e está a anos-luz de distância da realidade. Para outros, como o atacante França, do São Paulo, faz parte do cotidiano. Um de seus grandes sonhos, porém, não era nada "extravagante", muito mais simples do que muitos poderiam imaginar e foi realizado na noite de domingo, no Rio. Pela primeira vez, assistiu ao desfile de carnaval na Marquês de Sapucaí, oportunidade pela qual esperava desde criança. A realização do sonho o deixou empolgado e, segundo ele, serve de motivação extra para defender o São Paulo quarta-feira, contra o Botafogo, no Maracanã, pelo primeiro jogo da final do Torneio Rio-São Paulo. Quando menino, via o espetáculo carioca pela televisão, em Manaus, onde morava. Desde então, passou a "desejá-lo". Embora tivesse jogado pelo Tricolor no sábado, na vitória por 2 a 0 sobre a Matonense, encontrou um jeito de fugir para o Rio no domingo. Assistiu ao desfile, ao lado da noiva, Daniela, num camarote e, na manhã de hoje, pegou um avião de volta para São Paulo. Afinal, às 10 horas já estava treinando no CT da Barra Funda. "Era uma curiosidade grande que eu tinha; achei bonito ver os carros alegóricos, a bateria." O Salgueiro foi a escola que mais chamou sua atenção, pelas cores. "São as mesmas que as do São Paulo, com o predomínio do vermelho e branco." Ele se entusiasmou, também, com a presença do apresentador Silvio Santos, que desfilou pela Tradição. França disse que se sentiu encolhido no meio de tantas estrelas. "Eu era coisa pequena no meio dos artistas." Quase não precisou distribuir autógrafos e foi pouco assediado pelo público. Uma das surpresas foi quando viu a chegada de Arnold Schwarzenegger, astro de Hollywood. Desfilar, porém, nem pensar. "Sou tímido demais para isso e não desfilaria nem que me pagassem." Precisava, também, poupar-se para a partida de quarta. O jogador curtiu a festa na Sapucaí até às 2 horas da madrugada e depois se recolheu. O alto astral do carnaval o estimula para entrar em campo mais motivado contra o Botafogo. "Estou me sentindo bem, passando por um momento feliz." Contra a Matonense, sábado, marcou o 8.º gol em 2001 e é o artilheiro do time na temporada. Nova dupla - O técnico Oswaldo Alvarez afirmou, hoje, que o companheiro de ataque de França será Luís Fabiano. Vadão ficou satisfeito com a atuação do atleta em Matão e decidiu mantê-lo entre os titulares. Assim, Renatinho ficará, mais uma vez, no banco. "É uma supresa ganhar a posição tão cedo; agora, vou ter de matar um leão por dia para me manter na equipe."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.