Carpegiani destaca 'vitória da garra' no Atlético-PR

Depois de ver o Atlético-PR vencer o Atlético-MG por 2 a 1, na última quarta-feira à noite, na Arena da Baixada, o técnico Paulo César Carpegiani destacou a determinação apresentada pelos seus jogadores no confronto que deixou a sua equipe na sétima posição do Campeonato Brasileiro, com 31 pontos.

AE, Agência Estado

16 de setembro de 2010 | 11h11

"Em primeiro lugar queria dedicar essa vitória ao pessoal de 70 (ex-jogadores do Atlético-PR que visitaram o Centro de Treinamento do clube), que foi coroado com a ''vitória da garra''. Saímos ganhando o jogo e fomos fazer o segundo aos 43 (do segundo tempo). Foi um time que buscou e lutou até o fim. Tivemos dificuldades normais. O jogo estava muito difícil, contra uma equipe com qualidade, fechada. Mas nossa equipe não se apavorou e contou com o apoio da torcida. Gostei que foi uma equipe que colocou a bola no chão", ressaltou.

O treinador também festejou o fato de a equipe mostrar poder de reação após ter sido derrotada pelo Guarani, por 1 a 0, em Campinas, na rodada anterior do Brasileirão. "Tivemos muita melhora. Enfrentamos uma equipe altamente técnica que está sob pressão. Não foi um jogo fácil. Tivemos oportunidades e desperdiçamos. Mas enquanto a equipe cria eu fico tranquilo. Me preocupa quando não criamos as chances. Fico satisfeito quando a equipe busca o resultado", enfatizou.

Carpegiani ainda revelou que esperava que o Atlético-MG entrasse em campo com uma formação tática diferente do esquema 4-4-2 escolhido por Vanderlei Luxemburgo, fato que o motivou a promover a entrada no time do meia paraguaio Iván González. E o jogador acabou marcando o gol que definiu a vitória por 2 a 1 para o Atlético-PR, depois de substituir Branquinho.

"Imaginava que o Luxemburgo fosse para o 3-5-2. E na terça treinamos exatamente dessa forma. E eu fechei (o treino) para que vocês (jornalistas) não dessem essa informação. Mas eles não vieram. E a entrada do Iván realmente abriu (a defesa adversária). Ele é imprevisível e é o tipo de jogador que precisamos. Mas gostei do comportamento da minha equipe. Teve serenidade para jogar", comemorou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.