Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Matheus Oliveira/Flamengo
Matheus Oliveira/Flamengo

Carpegiani minimiza revanche no Fla-Flu e pede paciência com Henrique Dourado

Atacante foi muito vaiado no confronto com a Portuguesa

Estadão Conteúdo

19 de março de 2018 | 10h50

Ao golear a Portuguesa por 4 a 0, o Flamengo garantiu a segunda colocação do Grupo B da Taça Rio e agora enfrenta o Fluminense na quinta-feira, às 20 horas, pela semifinal. Será a oportunidade de o time rubro-negro dar o troco no rival - no segundo turno, o time tricolor venceu o Fla-Flu por 4 a 0.

+ Clubes expõem marca da Caixa de graça enquanto negociam renovação de patrocínio

O técnico do Flamengo, Paulo César Carpegiani, tentou minimizar a mais recente derrota no clássico. "É um time totalmente diferente. É um clássico, com uma rivalidade muito boa, uma das mais acentuadas do futebol brasileiro. Se nós estivéssemos com a vantagem ou desvantagem... são 90 minutos que vão decidir. Temos a missão de conseguir também o título desse segundo turno e só não vamos conseguir se nós realmente não formos melhores que o adversário", afirmou.

Para o próximo duelo, o Fluminense tem a vantagem do empate por ter se classificado na primeira posição do Grupo C. No entanto, o time rubro-negro têm vaga garantida da semifinal do Estadual por ter sido campeão da Taça Guanabara.

"Ainda aspiramos jogar a decisão desse campeonato. Será um confronto só, não teremos a vantagem. Será uma outra situação. Esperamos passar para a próxima fase. Que sejamos felizes e consigamos prosseguir", comentou.

VAIAS A DOURADO

O treinador também saiu em defesa do atacante Henrique Dourado. Apesar de ter feito um gol e dado assistência para Éverton Ribeiro marcar outro, o jogador foi vaiado pelos torcedores em Cariacica, palco do duelo contra a Portuguesa.

"Confio no jogador, e assim como confio nele, confio em toda a minha equipe. Eu não tenho 11, eu tenho um grupo e vamos usar da melhor maneira. Eu acho que essa impaciência do torcedor é em função do que era no ano passado, essa mesma equipe disputou duas, três finais e ganhou o Campeonato Carioca. O torcedor tem que paciência, não somente com o Dourado, mas para com todos. Está sendo constituído um novo grupo", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.