Maurícia da Matta/Vitória
Maurícia da Matta/Vitória

Carpegiani quer identidade tática, mas cobra Vitória agressivo contra o Palmeiras

Equipe baiana está na 17.ª colocação com 19 pontos e precisa vencer para deixar a zona da degola

Estadão Conteúdo

19 Agosto 2018 | 06h46

Paulo César Carpegiani foi contratado na terça-feira, conheceu o elenco do Vitória na dia seguinte e rapidamente precisou preparar a equipe baiana para a partida contra o Palmeiras no domingo, às 16 horas, no Barradão, pela 19.ª rodada, a última do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Apesar do treino secreto realizado na sexta-feira, o técnico avisou que pretende manter a identidade, com o sistema de jogo adotado pelo ex-interino João Burse, no esquema 4-1-4-1.

"Estou apostando que podemos fazer uma campanha de recuperação. Procurei conversar bastante com os jogadores e tenho a convicção que terei uma resposta forte e positiva", diz o técnico, apostando numa mudança de postura do time. Ele também espera contar com o apoio da torcida nesta virada na tabela para que o time seja mais agressivo.

Após sofrer a goleada por 4 a 0 para o Grêmio no último final de semana, o time rubro-negro despencou de vez na classificação e aparece na briga contra a zona de rebaixamento, com 19 pontos. O Santos, primeiro na degola, tem 18. "É imperativo ganhar em casa, mesmo tendo pela frente um adversário tão tradicional como o Palmeiras", reconhece o técnico em sua terceira passagem pelo Barradão.

Carpegiani foi bastante reticente, porém, ao falar de possíveis mudanças no time. Mas existem várias possibilidades de mudanças. Uma delas seria a entrada do zagueiro Ruan Renato no lugar de Kanu, que até então era um dos xodós da torcida, mas que vem sendo um dos mais criticados pela má fase.

Além disso, Bryan briga por vaga de Benítez na lateral-esquerda, enquanto Lucas Fernandes tenta roubar a camisa Wallyson no ataque. Walter Bou conseguiu se recuperar de um incômodo na panturrilha e assume a condição de atacante, mantendo Bruno Gomes no banco de reservas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.