Carpegiani vê ascensão e diz acreditar na reabilitação

Técnico gosta da postura do Corinthians no clássico e quer acabar com jejum de vitórias diante do Inter

16 de julho de 2007 | 17h59

Apesar de ainda estar há cinco rodadas sem vencer no Brasileirão e amargar a 14.ª colocação, o treinador corintiano Paulo Cezar Carpegiani viu pontos positivos no empate diante do São Paulo no último domingo - o resultado também manteve um jejum de mais de quatro anos sem vitórias sobre o rival do Morumbi. O comandante da equipe do Parque São Jorge disse acreditar que a equipe evoluiu muito e que tem chances de bater o Internacional, na próxima quarta-feira, no Estádio do Beira-Rio."Coloco o São Paulo como principal favorito ao título. Destaco também o Botafogo, pela campanha, mas o São Paulo tem o melhor time. Por isso, o clássico é um estímulo. Se tivesse que existir um vencedor no jogo de sábado, seria o Corinthians, por tudo que fez na partida, principalmente no segundo tempo", analisou Carpegiani.A empolgação do treinador contagiou o zagueiro Zelão, autor do gol do empate, anotado nos acréscimos da segunda etapa. "Fizemos uma partida muito boa, tocamos a bola como o treinador vinha pedindo, mas infelizmente não conseguimos vencer. Agora, contra o Inter, podemos vencer se continuarmos jogando assim", comentou.Depois de cair da vice-liderança para 14.ª posição na tabela, Carpegiani disse não estar preocupado com a queda de rendimento. "É uma situação natural dentro de uma competição tão difícil. No Brasileiro, você vence um, dois jogos e vai lá para cima. Se perder, você cai mesmo. Ainda temos um jogo a menos e, se ganharmos, vamos subir", disse. "Não existe motivo para desespero."Por fim, Carpegiani cutucou a diretoria corintiana e voltou a pedir reforços. "Estou satisfeito com o grupo que tenho, mas precisamos de um pouco mais de qualidade, precisamos de jogadores que possam chegar para resolver nossos problemas", disse. Ele pretende contar ainda com um lateral-esquerdo e um meia para ajudar Willian na armação das jogadas. Para a ala, a solução deve ser Gustavo Nery, que estava emprestado ao espanhol Zaragoza e pode regressar aos treinos no Parque São Jorge na terça.CríticasDepois de perder Willian por algumas partidas no Nacional, porque o jogador estava defendendo a seleção brasileira no Mundial sub-20, Carpegiani atacou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por causa da lesão do zagueiro Átila, cortado da disputa dos Jogos Pan-Americanos - o atleta teve uma contusão no joelho esquerdo durante a fase de preparação para o torneio no Rio."Isso aconteceu com o Rafael Fefo também. Eles não tiveram nenhuma assistência da CBF. Não pagaram nem os salários. Não tenho nada contra convocar os atletas, mas é preciso resolver isso da melhor maneira. Os jogadores precisam de um auxílio", criticou o treinador corintiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.