Cartola arma ofensiva contra a Liga

A criação das Ligas, que poderá ser oficializada nos próximos dias por meio de decreto-lei do Ministério dos Esportes, foi alvo de críticas do presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio (Ferj), Eduardo Vianna. o Caixa D?Água. "Esse negócio de Liga só existe em perna de mulher", ironizou Viana, único entre os 25 presidentes de federação que estiveram reunidos ontem à tarde na sede da CBF a falar sobre o assunto.Os demais 24 presidentes de federação preferiram tratar de outros assuntos. Apenas os presidentes da Federação Paulista de Futebol (FPF), Eduardo José Farah, e da Federação Pernambucana de Futebol, Carlos Alberto Oliveira, não estiveram presentes, porque fazem atualmente oposição ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que também não estava na reunião por se encontrar na sede da Fifa em Zurique, na Suíça.Os dirigentes discutiram a proposta apresentada pela Fundação Getúlio Vargas sobre o novo "Modelo Organizacional da CBF e Federações filiadas".Em nota oficial, resolveram criar uma comissão para formular proposta de alteração nos estatutos da CBF e das federações; criar comissão entre os presidentes das federações de Minas Gerais, Paraná, Goiás e Rio de Janeiro para tratar com a Rede Globo dos contratos ainda vigentes de transmissão por emissoras a elas filiadas de transmissão dos campeonatos estaduais de 2002, 2003 e 2004; organizar de forma regional o Campeonato Brasileiro de seleções estaduais Sub-20 ainda em 2001 e criar comissão permanente entre os presidentes de federação para acompanhar o desenvolvimento da nova legislação desportiva.O único a falar sobre a questão das Ligas foi Caixa D?Água. Contrário à criação das mesmas, ele garante que o decreto-lei é inconstitucional. "Se for o caso, entraremos com medida liminar no Supremo Tribunal Federal. Essa Liga não sairá." - O ministro de Esportes e Turismo, Carlos Melles, anunciou nesta segunda-feira pela manhã, no Rio, que a Liga vai tirar poderes da Confederação Brasileira de Futebol, que cuidaria exclusivamente da Seleção Brasileira, em todas as categorias."O ministro não conhece nada de esportes. Ele entende muito é de plantação de café. A única bola que apresentaram a ele é a semente de café", disse Caixa D?Água.Melles esteve na sede do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), no centro do Rio, onde acompanhou a assinatura de contrato entre o COB e a empresa norte-americana IMG World, maior agência de marketing do mundo, no valor de US$ 10 milhões."Fico satisfeito em saber que ele (Caixa D?Água) está contra mim, porque prova que estou do lado certo", desdenhou.De acordo com o ministro, no prazo máximo de 10 dias as ligas serão criadas. "A Advocacia Geral da União entendeu que o decreto-lei não precisará ser regulamentado por uma medida provisória", disse Melles.Caixa D?Água não se fez de rogado:"Presido uma das maiores federações de futebol do país. Não preciso perguntar nada a ministro nenhum nem a clube filiado a minha federação. Sou livre para me posicionar da maneira que achar melhor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.