Cartola da Ferj ataca ação do governo

O presidente da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), Eduardo Viana, fez duras críticas ao secretário executivo do ministério do Esporte e Turismo, José Luís Portela, nesta segunda-feira, durante uma reunião entre os presidentes de federações de futebol, em um hotel no centro do Rio. Ele defendeu a manutenção das competições estaduais e pediu providências à Fifa para que intervenha junto ao poder público contra as medidas do governo federal em relação ao futebol brasileiro. "Apareceu um general da banda, um xerife, decretando o Código de Defesa do Torcedor, calendário, como se fosse o dono do futebol brasileiro", afirmou Viana, referindo-se a Portela. "O cidadão aparece decretando o Campeonato Brasileiro, com dois turnos e disputado como o europeu." Sobre o documento enviado à Fifa, Eduardo Viana disse que é um pedido para que a entidade tome providências contra o que chamou de intervencionismo governamental desde o fim das Olimpíadas de Sydney, em 2000. "A Fifa pode intervir em tudo desde que a vontade autônoma do futebol esteja sendo pisada pelo governo federal", afirmou o dirigente. "O Brasil pode até ser desfiliado e eu prefiro o futebol na ilegalidade a nas mãos do governo." De acordo com Viana, todos os presidentes de federações de futebol querem a permanência dos campeonatos estaduais. "Quem decreta o calendário é a CBF e o Ministério dos Esportes pode ficar sossegado", afirmou o dirigente. Além disso, eles vão cobrar do presidente Ricardo Teixeira, o cumprimento do calendário aprovado na Assembléia Geral.

Agencia Estado,

05 Agosto 2002 | 20h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.