Cartola que fiscaliza contas da Fifa é preso por corrupção

Canover Watson é do Comitê de Auditoria e Fiscalização de Normas e terá que se explicar à entidade, apesar de ter negado acusações

Jamil Chade - correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

07 Setembro 2014 | 17h37

A Fifa vive mais uma crise. Neste fim de semana, o cartola responsável por controlar e chancelar as contas da entidade foi preso. O motivo: suspeita de corrupção. Canover Watson integra o Comitê de Auditoria e Fiscalização de Normas da Fifa. Sua escolha para participar do grupo parece não ser por acaso. O cartola é das Ilhas Cayman, um dos principais paraísos fiscais do mundo e com uma tradição nula no futebol.

Watson, que negou as acusações e pagou uma fiança para responder em liberdade, agora terá de dar explicações à Fifa. A entidade, ontem, se recusou a afastá-lo. "Nego as acusações. No devido tempo, na hora certa e no fórum apropriado, eu anseio por expor minha posição em maior detalhe", disse Watson.

Tentando demonstrar estar preocupada com a situação, a Fifa emitiu um comunicado indicando que cobrou um posicionamento de seu cartola.

O governo das Ilhas Cayman, apontou em nota que Watson é suspeito de uma "quebra de confiança contrária à seção 13 da Lei Anticorrupção das Ilhas Cayman, bem como de abuso de cargo público e conflito de interesses".

Além de corrupção, ele foi preso por lavagem de dinheiro em um caso envolvendo a introdução de um sistema de cartões magnéticos no sistema de saúde da ilha. Watson foi o diretor da Autoridade de Serviço de Saúde de Cayman.

CASOS

Permeada por casos de corrupção, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, colocou a ética como sua principal bandeira para as eleições de 2015. Em setembro ainda ele patrocina em Zurique um seminário mundial sobre o assunto. Ele ainda promete decisões sobre a escolha do Catar para sediar a Copa de 2022. No entanto, o cartola se recusa a publicar sua renda, explicar os salários de dirigentes da Fifa e de investigar o passado da organização. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.