Ozan Kose/AFP
Ozan Kose/AFP

CAS aceita recurso do Galatasaray contra a Uefa em caso de Fair Play Financeiro

Entidade havia decidido reabrir uma investigação ao clube turco por suposto descumprimento das regras

Redação, Estadão Conteúdo

15 de fevereiro de 2019 | 13h46

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) anunciou nesta sexta-feira que aceitou o recurso que o Galatasaray, da Turquia, interpôs contra uma decisão da Uefa, que havia decidido reabrir uma investigação ao clube por suposto descumprimento das regras do Fair Play Financeiro no futebol europeu.

Por meio de um comunicado, o máximo tribunal esportivo mundial informou que revogou a sentença anunciada anteriormente pela Uefa, que havia anunciado a retomada das investigações sobre o time turco pouco depois de as partes entrarem em um acordo.

Em 5 de junho do ano passado, a entidade europeia havia selado um compromisso com o Galatasaray depois de o clube ser punido por infringir o regulamento do Fair Play Financeiro. Pelo acordo, teria de pagar cerca de 15 milhões de euros (algo em torno de R$ 63 milhões, pela cotação atual) até 2022 e limitar a 21 o número de jogadores inscritos, e não 25, na Liga dos Campeões.

Mas, ao saber que a Uefa reabriu a investigação, o Galatasaray entrou, em outubro passado, com um recurso junto à CAS para anular a decisão da entidade. Ao justificar o motivo de ter aceitado a apelação, o tribunal reconheceu que o órgão europeu poderia reabrir as apurações, mas desde que isso ocorresse dentro de 10 dias após o acordo firmado com o clube. E, neste caso, o prazo expirou antes de a Uefa anunciar uma nova decisão em relação ao caso.

Naquela ocasião, a Uefa optou por realizar uma investigação adicional da situação do Galatasaray, que em 2016 chegou a ser excluído pela Uefa das competições europeias pelas duas temporadas seguintes por descumprimento de um outro acordo estabelecido entre as partes em 2014, também relativo ao Fair Play Financeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.