Marcos Brindicci / Reuters
Marcos Brindicci / Reuters

CAS julgará na quinta-feira a eliminação da Chapecoense na Libertadores de 2017

Equipe busca reparação financeira e manutenção da vitória da equipe que teria classificado para as oitavas de final

Estadão Conteúdo

27 de fevereiro de 2018 | 12h22

A Chapecoense recorreu à Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) e terá a eliminação na Libertadores do ano passado julgada pela entidade nesta quinta-feira. O clube anunciou o fato nesta terça, informando que a audiência acontecerá na sede da corte, em Lausanne, na Suíça.

+ Futebol e tênis dividem atenção na cerimônia do Prêmio Laureus

+ Ex-jogador da Chapecoense morre em acidente de carro em Santa Catarina

O caso é referente à saída da Chapecoense no torneio continental de 2017. Na ocasião, o time brasileiro teve os pontos da vitória sobre o Lanús, por 2 a 1, retirados pela escalação irregular do zagueiro Luiz Otávio. Como resultado, o clube caiu da segunda para a terceira posição do Grupo 7 da competição, ficando fora das oitavas de final.

“Isso é uma resposta à instituição Chapecoense e também ao torcedor do clube. Tivemos um prejuízo muito grande com a eliminação na Libertadores, sabedores de que Conmebol errou em sua comunicação na ocasião. A Chapecoense tem o direito de fazer essa solicitação e não deixaremos de lutar por isso”, declarou o presidente do clube, Plínio David de Nes Filho.

Se tivesse conquistado os três pontos do triunfo na Argentina, a Chapecoense teria garantido vaga na fase de mata-mata da Libertadores. Luiz Otávio, na ocasião, inclusive foi autor de um dos gols da equipe. Mas a Conmebol havia punido o zagueiro com três partidas de suspensão, o que o impossibilitaria de estar em campo naquele duelo.

A Chapecoense alega que não recebeu qualquer comunicado da Conmebol sobre a punição, enquanto a entidade garante ter enviado um e-mail ao clube. Sem solução, o caso chega à CAS com o time brasileiro pedindo uma compensação financeira pela eliminação e os pontos da partida, mesmo com a competição já encerrada há três meses, com título do Grêmio, diante do próprio Lanús na decisão.

“O recurso tem como objetivo dois pontos básicos. O primeiro é à nível desportivo, buscando a manutenção do resultado da partida, em que a Chapecoense saiu vencedora frente ao Lanús, com a consequente classificação para a fase de oitavas de final da competição. E o segundo é a nível financeiro, buscando reparação às premiações a que o clube teria direito no caso de classificação”, explicou o advogado Marcelo Amoretty, que representará o clube na Suíça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.