José Jácome/EFE
José Jácome/EFE

Casemiro se diz pronto para jogar em qualquer posição do meio-campo na seleção

Um dos favoritos de Zidane no Real Madrid, volante já ganha 'status' de titular com Tite

Almir Leite, enviado especial a Quito, O Estado de S. Paulo

30 Agosto 2016 | 21h53

O volante Casemiro está com a bola toda entre alguns dos principais treinadores do futebol mundial. Zinedine Zidane o considera um dos jogadores mais importantes do Real Madrid, fundamental em algumas partidas. José Mourinho gostaria de levá-lo para o Manchester United. Tite o definiu como titular de sua seleção. E ele tem tudo para se tornar fundamental também para o time brasileiro, principalmente no esquema 4-1-4-1, favorito do novo treinador da seleção.

Casemiro não abre o jogo sobre detalhes da equipe brasileira que enfrenta o Equador na quinta-feira pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, mas se coloca à disposição para jogar em qualquer função que o Tite precisar.

"Se ele jogar no 4-1-4-1 vai ser mais ou menos igual ao que joga o Real Madrid. É uma função que eu gosto de fazer, mas estou preparado para jogar em qualquer função, para o que der e vier", disse na noite desta terça-feira, em entrevista coletiva depois do treino da equipe.

O volante concorda com a decisão de Tite de não revelar a equipe que enfrenta o Equador. "É importante ter a dúvida, para colocar uma dúvida na cabeça da equipe adversária", defende.

Ele define o Equador como um adversário difícil de ser batido, e entende o fato de os rivais de quinta-feira, atuando em casa, estarem confiantes na possibilidade de vencer o Brasil. "É natural, num jogo em que estão em casa, o momento do Brasil não está sendo bom. Mas estamos preparados para dar a volta por cima."

O ex-jogador do São Paulo diz que, na situação atual, é preciso dar um passo de cada vez. "O professor vem nos pedindo para pensar jogo a jogo", afirma, complementando. "O momento não é para espetáculo, é para jogar e vencer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.