EFE/SERGEY DOLZHENKO
EFE/SERGEY DOLZHENKO

Caso Lopetegui está superado, afirma Iniesta: 'Foi desconfortável, mas acabou'

Treinador deixou comando da seleção às vésperas da Copa, após acertar com o Real Madrid

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 18h14

O meia Andrés Iniesta afirmou nesta terça-feira, em entrevista coletiva, que a tempestade gerada pela demissão do técnico Julen Lopetegui às vésperas da estreia da Espanha na Copa do Mundo da Rússia é coisa do passado, a página está virada e a coesão entre os jogadores está intacta. "Foi um momento desconfortável, mas agora acabou".

+ Hierro indica retorno de Carvajal à seleção da Espanha contra o Irã

+ Isco exalta estilo de jogo espanhol 'inegociável' e prevê dificuldades contra Irã

"Se há algo que caracteriza este grupo é a união", disse a estrela, na mesma linha adotada dias antes pelo capitão Sergio Ramos, o qual afirmou que "não há racha" no grupo. A declaração de Iniesta ocorreu após insistência da imprensa em perguntar sobre o episódio surpreendente, que chocou os espanhóis e ameaçou quebrar a unidade na equipe.

O autor do gol que deu à Espanha a vitória na final do Mundial de 2010, na África do Sul, Iniesta esclareceu que não desempenhou nenhum papel particular para apaziguar a situação depois da saída repentina de Julen Lopetegui, ao assinar contrato para treinar o Real Madrid. Fernando Hierro assumiu o time.

"A maioria de nós jogadores se conhece há muito tempo, temos concordado e no final demonstramos ser um grupo que, especialmente neste momento, mostra confiança cega no que fazemos. Todos nós vamos na mesma direção", disse o meia, que deixou o Barcelona recentemente, depois de 22 anos no clube catalão, para jogar no Vissel Kobe, do Japão. "A partir daí, o que importa é o esporte", acrescentou o atleta, de 34 anos.

 

Iniesta disse que, como todos os seus companheiros de seleção, "sonhamos com o máximo, para ganhar novamente esta Copa do Mundo". "Estamos conscientes de que é uma tarefa complicada que nos levará dará trabalho", acrescentou.

Mas por enquanto, afirma Iniesta, a Espanha deve enfrentar "uma nova final", em alusão ao confronto contra o Irã, nesta quarta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Kazan, pelo Grupo B. No primeiro jogo dos espanhóis, empate por 3 a 3 diante de Portugal. Já a equipe iraniana, liderada pelo técnico português Carlos Queiroz, venceu na estreia o Marrocos por 1 a 0.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.