Caso Marcelinho terá definição amanhã

Marcelinho cara a cara com Ricardinho. Amanhã, pela manhã, será a primeira vez que eles vão se defrontar no Centro Treinamento de Itaquera, desde terça-feira, quando ambos declararam guerra. A diretoria e o técnico Wanderley Luxemburgo também deverão anunciar, após o treino, se Marcelinho será mantido no elenco ou afastado do clube. Marcelinho foi acusado como o jogador que passara para a imprensa notícias sobre uma reunião do elenco, em Extrema, sul de Minas, na sexta-feira, durante a concentração da equipe na cidade. O meia acusara ainda Ricardinho de ser dedo-duro e passar para a diretoria o que ocorria no dia-a-dia do elenco. E mais: disse que Ricardinho quase fora agredido por Batata, Scheidt, Rogério e Paulo Nunes. Eles, no entanto, negam o incidente. Marcelinho não viajou com a delegação para Santiado do Chile, onde o time venceu o Colo Colo por 2 a 0, quinta-feira, pela Copa Mercosul, porque estava suspenso. Ricardinho acabou sendo o destaque do time e marcou um lindo gol, o primeiro da partida. O meia chorou ao comemorar o gol. Um desabafo. O vice-presidente de Futebol do clube, Antônio Roque Citadini, considerou grave a crise entre os dois jogadores e prometeu tomar medida severa na volta da delegação. O presidente do Corinthians, Alberto Dualib, retorna amanhã da Espanha. Ele foi tentar acertar a recontratação do lateral-esquerdo e volante André Luís, do Tenerife, e acertar a transferência do atacante Ewerthon para o Betis. O clube espanhol estaria disposto a pagar US$ 9 milhões pelo passe do atleta. O Betis oferece contrato de oito anos ao atacante, que disse hoje estar disposto a jogar na Espanha. "Se a proposta for boa, aceito", disse. Luxemburgo define amanhã a equipe para o segundo jogo na Mercosul, contra o Independiente, da Argentina, domingo, às 11 horas, no Pacaembu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.