Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo
Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo

Casos de covid-19 na Copa América chegam a 53 e já atingem três das quatro sedes do torneio

De acordo com o Ministério da Saúde, testaram positivo 27 jogadores e membros das delegações e 26 prestadores de serviços contratados para o evento

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2021 | 22h48

Os casos de covid-19 entre jogadores, membros das delegações e prestadores de serviços da Copa América continuam subindo, assim como o número de sedes do torneio com registros de infecções pelo novo coronavírus. De acordo com boletim divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira, até o momento, são 53 casos de covid-19 confirmados, sendo 27 entre jogadores e membros das delegações e 26 trabalhadores contratados para o evento.

Os casos de prestadores de serviços foram confirmados em três das quatro sedes da Copa América: Brasília, Goiânia e Rio de Janeiro. A única cidade onde ainda não foi confirmada nenhuma infecção é Cuiabá. As seleções com testes positivos são Peru, Colômbia, Bolívia e Venezuela.

Segundo o Ministério da Saúde, foram realizados 3.045 testes de RT-PCR. A positividade de casos por covid-19 é de 1,70%. Os resultados do sequenciamento genético para análise de variantes devem ser concluídos em até 14 dias.

Em meio a críticas sobre o elevado número de casos e mortes por covid-19 no Brasil, o governo do presidente Jair Bolsonaro atuou para garantir a realização do evento após a recusa da Argentina e da Colômbia em sediá-lo. Assim, o torneio foi transferido ao Brasil, apesar de o número de mortos do País ser o segundo maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Vários jogadores têm se posicionado contra a Copa América. Nesta terça-feira, o atacante da Bolívia Marcelo Moreno usou as redes sociais para criticar a Conmebol. "Obrigado a vocês da Conmebol por isso. A culpa é totalmente de vocês. Se morre uma pessoa, o que vocês vão fazer? O que importa é somente o dinheiro, a vida do jogador não vale nada?", escreveu.

O atacante uruguaio Luis Suárez, em entrevista coletiva, também lamentou o fato de a competição ser disputada em meio à pandemia do novo coronavírus. "Estamos totalmente de acordo com muitas seleções, com parceiros de outras seleções, que não concordam em jogar devido à pandemia mundial que está sendo vivida, mas também estamos conscientes de que o Brasil está jogando todos os torneios locais, a Libertadores, está jogando a Copa Sul-Americana, Eliminatórias e isso te dá uma segurança que pode jogar sem problema."

Por causa da pandemia, a seleção argentina optou por fixar base em seu complexo esportivo em Buenos Aires e viajará a cada partida, em vez de se instalar no Brasil durante a competição. Assim, a Argentina poderá percorrer mais de 15 mil quilômetros somente na primeira fase da Copa América para jogar no Rio, Brasília e Cuiabá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.