Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Cássio critica empresário de Pedrinho: 'As coisas se resolvem aqui dentro'

Goleiro condenou atitude do agente que ameaçou tirar atacante do Corinthians após o vice da Copa do Brasil

João Prata, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2018 | 15h54

O goleiro Cássio concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira antes do treino do Corinthians. O jogador não fugiu das perguntas, assumiu a responsabilidade sobre a situação do time no Campeonato Brasileiro e aproveitou também para criticar quem tem tratado de tumultuar o ambiente no clube. 

O titular da meta alvinegra condenou a atitude do empresário do Pedrinho, Will Dantas. "As coisas se resolvem aqui dentro. Não falando fora. Vejo muitos empresários sendo negativos para o jogador. Sou suspeito para falar, porque sou muito bem assessorado. O Pedrinho tem que se dedicar dentro de campo. Se não tiver feliz, temos um presidente que não é de segurar jogador", opinou.

Na quinta-feira, Will Dantas chegou a postar nas redes sociais que o ciclo de Pedrinho havia acabado no clube. No entanto, horas depois, voltou atrás e disse que a indignação era apenas com o árbitro de vídeo do jogo contra o Cruzeiro, que anulou um golaço do atacante na derrota por 2 a 1.

"Não vi o Pedrinho se manifestar, só o empresário. É complicado falar, não cabe a mim julgar o certo ou errado. Mas o empresário deveria dar o suporte no que o atleta precisa neste momento", encerrou o assunto.

Sobre a situação do time, Cássio colocou o vice da Copa do Brasil no passado, lembrou que a luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro é uma situação inédita em seus seis anos de clube, mas disse que não está fazendo contas.

"Temos que ganhar. A situação incomoda. Nunca estive nesse ponto da tabela. Temos que trabalhar, corrigir os erros, errar o menos possível e ganhar", afirmou. Faltam nove rodadas para o término da competição e o Corinthians precisa somar ao menos dez pontos para escapar do rebaixamento.

"Não adianta fazer cálculos. Podemos até brigar por uma vaga na pré Libertadores. São nove decisões, a primeira é no domingo (contra o Vitória, fora de casa). Temos que pontuar. Se for ver os números, o Corinthians não tem um ano ruim. Fomos campeões paulistas, ficamos em primeiro no grupos da Libertadores, chegamos na final da Copa do Brasil. Não é possível que a gente não tenha qualidade. É um Brasileiro irregular, mas são nove partidas. Conseguindo os pontos, não sabemos onde podemos chegar. Mas tem que ser com um bom desempenho de todos", disse.

Ao lado do meia Danilo, Cássio é o atleta mais vitorioso do Corinthians com oito títulos conquistados. Ele também é o terceiro goleiro com mais jogos com a camisa alvinegra. São 373 partidas disputadas, atrás apenas de Ronaldo (602 partidas) e Gilmar (395). O atual titular da meta alvinegra teve presença fundamental no títulos da Libertadores e Mundial, ambos em 2012. Por isso, experiência é o que não falta para analisar o péssimo momento do time no Brasileirão. 

O Corinthians vem de quatro jogos sem vitória e ocupa o 11º lugar, com 35 pontos, a quatro de distância da zona de rebaixamento. "A gente que ajudar mais um ou outro. É o trabalho, não tem muito o que fazer. Temos que responder dentro de campo. Não vejo ninguém fazendo corpo mole. Às vezes as coisas não acontecem do jeito que a gente quer. Mas não podemos baixar a guarda. Jogamos no Corinthians, um dos clubes que mais ganhou títulos nos últimos anos. Tem muitos jogadores com uma história muito bonita aqui, vitoriosa. No momento tem que melhorar, evoluir, conseguir vitórias para acalmar a situação e especulação sobre isso ou aquilo", disse.

Cássio também evitou apontar culpados pela má fase no torneio por pontos corridos. Ao ser questionado sobre o péssimo desempenho do ataque, que marcou apenas um gol nos últimos cinco jogos, tentou contemporizar. "Quando você está ganhando isso é pouco visto", disse. 

"No ano passado chutava pouco, mas era o time efetivo, que chutava e fazia. Se pegar outros anos, não tínhamos muitas chances. Contra o América-MG criamos muito e não fizemos. Em outros, pouco e fizemos. Temos que melhorar o ataque e evitar os gols para ficar mais perto da vitória. Confiamos no trabalho do Jair, no empenho dos jogadores e vamos retomar o rumo das vitórias e dos gols para voltar a vencer", complementou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.