Daniel Augusto Jr|Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr|Agência Corinthians

Cássio quer a taça para selar volta por cima no Corinthians

Goleiro supera drama pessoal e recupera forma física e técnica depois de passar até pela reserva do time

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2017 | 07h00

Embora tenha o título de campeão mundial e da Libertadores, entre outros, pelo Corinthians, a conquista deste Campeonato Paulista vai representar, para Cássio, um dos maiores feitos de sua carreira. Isso porque virá após ele superar dramas dentro e fora de campo e chegar até a amargar o banco de reservas.

Ídolo da torcida do Corinthians, o goleiro vive boa fase e é um dos titulares inquestionáveis do técnico Fábio Carille. Raramente Cássio comete falha e, a cada jogo, ele mostra ter superado a morte de sua avó, Maria Luiza, ocorrida no dia 13 de maio do ano passado, episódio que abalou o jogador e que quase causou um efeito cascata devastador em sua carreira.

Maria Luiza era a base da sua família e Cássio a considerava uma mãe, já que foi criado por ela durante boa parte da infância. Abalado, coube ao goleiro a missão de resolver problemas burocráticos e financeiros depois da morte da avó, que cuidava de tudo praticamente sozinha em Porto Alegre. Ele chegou a ser liberado diversas vezes dos treinos para ir até a capital gaúcha resolver pendências. A cada vez que voltava, parecia mais triste e desmotivado. 

Por causa do problema, o goleiro perdeu o foco no futebol, engordou e o resultado foram sucessivas falhas e criticas. Paralelamente, o Corinthians não ia bem das pernas, trocava constantemente de treinador e o fim da linha para o goleiro no clube parecia estar bem próximo.

O Besiktas, da Turquia, fez uma proposta em julho do ano passado e só não o levou por falta de tempo para acertar a documentação, antes de fechar a janela de transferências. Mais uma frustração para Cássio, que via Walter ganhar espaço e se destacar a cada rodada. 

Após meses de sofrimento, a família foi se reestruturando e Cássio percebeu que só conseguiria voltar a ser titular e ídolo da torcida caso voltasse a se concentrar no futebol. Ele entendeu que sua carreira poderia ficar ameaçada se não mudasse de atitude. “Eu falei para meu empresário que não queria sair (do Corinthians) e que recuperaria o meu espaço na equipe. Respeito todos os goleiros do elenco, mas via potencial para voltar a ser titular”, avisou. 

Junto com a capacidade técnica, veio também um pouco de sorte. Assim que foi efetivado, Carille deixou claro que Cássio seria o seu titular. Desde o início do seu trabalho, ele tem apostado no goleiro, que tem, diante da Ponte Preta, a chance de coroar a volta por cima com um título que, se vier, não estará entre os mais importantes da sua carreira, mas será um dos mais marcantes de sua vida. 

O técnico Tite, da seleção brasileira, já avisou que está de olho nele, mas espera para ter certeza de que Cássio voltou a ser o mesmo goleiro de 2012. 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.