Rafael Ribeiro/Vasco.com.br
Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Castán diz que Flamengo 'ainda busca entrosamento' e exalta Valentim no Vasco

Equipes fazem clássico neste sábado, pela terceira rodada da Taça Rio

Redação, Estadão Conteúdo

06 de março de 2019 | 17h30

Invicto na temporada e campeão da Taça Guanabara, o Vasco terá um difícil teste para manter esta sequência no sábado, quando encara o Flamengo no Maracanã pela terceira rodada da Taça Rio. Às vésperas da partida, o zagueiro Leandro Castán fez uma análise do que espera encontrar no fim de semana e considerou que o time rubro-negro "ainda busca entrosamento".

"É um jogo diferente. A gente sabe que se trata de uma partida que a torcida sente bastante. É o jogo que todo mundo quer jogar, um clássico. Todo mundo já foi criança e sonhou em jogar uma partida desse peso no Maracanã. Sobre o adversário, o Flamengo é um time que ainda está buscando entrosamento. É uma equipe individualmente muito forte e vamos ter de fazer o mesmo trabalho do último jogo, priorizando sempre o grupo", comentou.

O Flamengo tem no setor ofensivo sua maior ameaça, com nomes como Diego, Everton Ribeiro, Arrascaeta, Gabriel, Bruno Henrique e Vitinho. Prova de fogo para o sistema defensivo vascaíno, também a grande força cruzmaltina em 2019. Afinal, em nove partidas até o momento no Carioca, os comandados de Alberto Valentim sofreram apenas três gols.

"A explicação é o trabalho do Alberto. Ele tem trazido a mentalidade de defender todo mundo junto na hora que nosso time está sem a bola. É um modo italiano e que ele tem sangue. Todo mundo comprou a ideia por saber a importância de se cumprir bem as funções dentro de campo. A linha defensiva precisa ser sempre bem compacta. Temos conseguido fazer isso muito bem", comentou Castán.

O zagueiro ainda exaltou a parceria com Werley. "Conheço o Werley de muito tempo. Não jogamos juntos no Atlético Mineiro, mas convivemos e moramos juntos. Nos conhecemos muito bem. Foi uma alegria muito grande encontrá-lo aqui. Agora estou tendo a oportunidade de atuar ao lado dele. Jogamos juntos no ano passado e também fizemos bons jogos. Estamos entrosados e fazendo nosso papel, mas o mérito é de todos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.