Rafael Ribeiro/Vasco.com.br
Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Castan trata jogo com CSA como divisor de águas: 'Brigaremos por coisas maiores'

Aproveitamento do Vasco nas últimas cinco rodadas do Brasileiro só não foi melhor que Santos, Flamengo e Grêmio

Redação, Estadão Conteúdo

01 de agosto de 2019 | 17h27

Nas últimas cinco rodadas do Campeonato Brasileiro, o Vasco conquistou 10 pontos e deixou a zona de rebaixamento. Com aproveitamento de 66,7%, só não foi melhor que Santos, Flamengo e Grêmio e agora já pensa em coisas maiores na competição. Quem garante isso é o zagueiro Leandro Castan, um dos líderes do elenco, que vê a partida contra o CSA, neste domingo, no estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES), pela 13.ª rodada, como um divisor de águas.

"Encaramos essa partida como um divisor de águas. A gente vai para esse jogo com muita humildade, mas sabendo que é preciso personalidade para vestir a camisa de um clube grande. Esse jogo pode reabrir a competição para nós, pois temos a possibilidade de iniciar a briga por coisas maiores, olhando mais para a parte de cima da tabela. Temos que ter consciência disso, deixando de lado aquele medo de ser feliz. Depois do início ruim tivemos, a oportunidade surgiu e não podemos desperdiçá-la", afirmou o zagueiro.

Se derrotar o CSA, o Vasco, que ocupa a 15.ª colocação, irá a 16 pontos e se aproximará da zona de classificação para a Copa Sul-Americana de 2020. Entrar nela pode até acontecer nesta rodada, mas depende de uma improvável combinação de resultados.

O duelo contra os alagoanos será especial para o capitão do Vasco. Isso porque ele enfrentará o seu irmão mais novo Luciano, que neste ano conquistou o título do Estadual com o CSA.

"Eu realmente tenho acompanhado bastante o time deles. Sempre assisto para ver as atuações do meu irmão. É uma equipe que se defende bem e procura surpreender nos contra-ataques. Precisamos estar muito atentos, até porque hoje em dia não tem mais partida fácil no futebol. O CSA é um time difícil de enfrentar. O torcedor vai fazer a parte dele. Jogamos algumas partidas longe do Rio e a torcida sempre compareceu. Dessa vez não será diferente. Com o torcedor do nosso lado, tudo se torna mais fácil", disse Leandro Castan.

"O Luciano é meu irmão e não tenho mais o que dizer. Amo muito ele. É um cara especial demais para mim. Está construindo sua família agora também, com seu filho que acabou de nascer. Eu desejo toda sorte do mundo para ele na sequência da carreira. Não vai ser uma partida simples, um jogo qualquer, será um duelo especial, principalmente quando eu ver ele lá do outro, mas dentro de campo cada um vai dar o seu melhor para vencer. Que o resultado seja positivo para o nosso lado", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.