Catar admite apoio para troca de data da Copa do Mundo de 2022

Preocupação é com o calor, e por isso o torneio pode ser em janeiro - ou seja, no inverno

AE-AP, Agência Estado

28 de dezembro de 2010 | 10h13

DUBAI - O dirigente do Catar Mohamed bin Hammam, que preside a Confederação Asiática de Futebol (AFC, na sigla em inglês) e também é membro do Comitê Executivo da Fifa, reconheceu nesta terça-feira que realizar a Copa do Mundo de 2022 em janeiro poderia ser melhor para os jogadores.

Embora tenha concordado que o calor no Catar pode ser excessivo no meio do ano, Bin Hammam fez uma ponderação: o país asiático não teria maiores problemas para organizar o Mundial mesmo que ele seja disputado em junho ou julho.

Após a polêmica escolha da sede à Copa de 2022, o calor passou a ser uma das principais preocupações para a disputa da competição. Um dirigente da AFC, Peter Velappan, sugeriu que o Mundial fosse realizado no início do ano, quando é inverno no Catar. E o próprio Bin Hammam, que durante o processo de escolha sempre minimizou as altas temperaturas, admitiu que a mudança poderia ser benéfica.

"Se a competição for disputada em junho ou julho, será perfeitamente organizada pelo país-sede. Mas se a competição for transferida para janeiro, seria uma situação melhor para todas as partes envolvidas", afirmou o dirigente do Catar.

Veja também:

link Capello apoia Copa do Mundo no inverno no Catar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.