Ibraheem Al Omari|Reuters
  Ibraheem Al Omari|Reuters

  Ibraheem Al Omari|Reuters

Catar garante que está com a Copa '90% pronta' e promete não ter 'elefantes brancos'

Comitê do próximo Mundial constrói estádios com estrutura desmontável para facilitar legado e aposta em construções sustentáveis

Ciro Campos , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Ibraheem Al Omari|Reuters

A pouco menos de dois anos para o início da próxima Copa do Mundo, o Catar garante que jamais houve um país sede tão avançado em termos de preparo para o evento, que terá início em novembro do ano que vem. O comitê organizador do torneio afirma que cerca de 90% da infraestrutura necessária está pronta e o restante será entregue até o fim de 2021. Além de sistema de ar condicionado e arquitetura moderna, as novas arenas foram erguidas dentro de novos parâmetros de sustentabilidade.

"Cerca de 90% da infraestrutura está completa. Tudo está em um nível de avanço que nenhuma outra sede anterior da Copa conseguiu atingir a dois anos antes do torneio", garantiu ao Estadão a diretora do Supremo Comitê para Entrega e Legado do Catar, Fatma Al Nuaimi. Sede das duas últimas Copas, Brasil e Rússia chegaram a inaugurar estádios apenas um mês antes da abertura.

Uma outra diferença marca a organização da Copa no Catar em comparação às duas últimas edições. Em vez de 12 arenas, o Mundial será disputado em somente oito estádios. Cinco deles já foram inaugurados e os outros três serão finalizadas em 2021. "Nós decidimos que oito é o número de estádios que o Catar vai precisar no período pós-Copa. Isso nos garante que não teremos nenhum 'elefante branco' deixado para trás depois do torneio", explicou a diretora.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Nós decidimos que oito é o número de estádios que o Catar vai precisar no período pós-Copa. Isso nos garante que não teremos nenhum 'elefante branco' deixado para trás
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Fatma Al Nuaimi, Diretora do Supremo Comitê para Entrega e Legado do Catar

A Copa foi transferida para o fim do ano para evitar o forte calor no país em julho. A temperatura média em dezembro varia de 18ºC a 24ºC, porém a organização quer dar ainda mais refresco aos jogadores e torcedores. Os estádios vão ter um complexo sistema de ar condicionado. A tecnologia tem sido aprimorada desde 2010 em uma parceria com uma universidade local.

Porém, o grande orgulho da organização não é a temperatura dos estádios, mas sim a tecnologia na construção deles. Pela primeira vez a Copa será disputada em uma arena desmontável, a Ras Ras Abu Aboud. Os demais estádios também têm em parte estruturas modulares. "Depois da Copa a estrutura modular será desmontada e usada para criar outras instalações esportivas no Catar. Mais de 170 mil assentos desmontáveis serão doados para nações que são carentes de estruturas", comentou a diretora.

As obras utilizaram o máximo possível de produtos locais para fomentar a economia do país. O meio ambiente foi também uma grande atenção. "Usar recursos sustentáveis tem sido nossa prioridade. Cerca de 15% dos materiais de construção dos estádios vieram de itens reciclados", contou Fatma. Em comparação a padrões internacionais de qualidade, as arenas também serão 30% mais eficientes em energia e vão utilizar 40% menos água.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Usar recursos sustentáveis tem sido nossa prioridade. Cerca de 15% dos materiais de construção dos estádios vieram de itens reciclados
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Fatma Al Nuaimi, Diretora do Supremo Comitê para Entrega e Legado do Catar

O Catar será o menor país a já ter recebido uma Copa e, por isso, o torneio terá uma logística bem diferente, sem precisar de viagens longas. Todas os estádios vão ficar nos arredores da capital, Doha, dentro de um raio de apenas 60 km. A proposta do comitê é que os torcedores se locomovam por metrô de uma sede para outra. Será possível até mesmo acompanhar mais de uma partida no mesmo dia. Pelo país também há várias obras em andamento para ampliar a rede de hotéis e de serviços.

Os trabalhos também estão em ritmo avançado para construir os quase 40 campos de treinos necessários para abrigar as seleções. Cerca de 19 mil operários atuam nas obras, vários deles estrangeiros. A pandemia do novo coronavírus pouco interferiu no ritmo de trabalho. A organização explicou ter precisado afastar 55 trabalhadores que tinham fatores de risco para a doença.

EVENTOS PREPARATÓRIOS

O Catar virou o destino de vários torneios importantes de futebol para testar as instalações e o esquema de organização. Em 2019 o país recebeu o Mundial de Clubes, vencido pelo Liverpool, e novamente sediará a próxima edição do torneio, confirmado para fevereiro. No entanto, o grande teste para o Mundial será em dezembro de 2021.

Após a Fifa avisar que não vai mais realizar a Copa das Confederações, o Catar decidiu procurar um outro grande torneio de seleções para testar a estrutura do país. A inédita Copa Árabe vai reunir 22 países e será disputada em sete arenas. "A Copa das Confederações reunia somente oito seleções e era vista pela Fifa como um prova essencial a um ano antes da Copa. O Catar vai receber 22 equipes e vai ter um teste muito mais exigente", explicou a diretora da organização.

Estádios da Copa de 2022

Prontos:

Khalifa

Al Janoub

Education City

Al Rayyan

Al Bayt

A serem entregues em 2021:

Al Thumama

Ras Abu Aboud

Lusail

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Seleção do Catar joga a Copa América e até Eliminatórias na Europa para ganhar experiência

Sem nunca ter disputado um Mundial, equipe busca compromissos internacionais para não fazer feio em 2022

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2020 | 11h00

A seleção do Catar tem rompido as barreiras continentais para adquirir experiência e não fazer feio no Mundial jogado dentro de casa. A equipe vai disputar novamente no papel de convidada a Copa América em 2021 e ainda fechou acordos para integrar um dos grupos das Eliminatórias Europeias para a Copa de 2022 e jogar a Copa Ouro, que reúne países das Américas Central e do Norte. O plano é dar ao time uma rodagem mais de confrontos contra rivais mais fortes.

O Catar nunca jogou uma Copa, mas vive um momento especial. Em 2019 conquistou o título mais importante da história, a Copa da Ásia, e agora a equipe quer demonstrar dentro de campo uma preparação à altura do cuidado e do zelo com os estádios a serem erguidos. O elenco terá um 2021 bastante "nômade". Compromissos pela Europa e na Colômbia estão marcados.

O último acordo selado foi a entrada do Catar como "convidada" em um dos grupos das Eliminatórias Europeias. Mesmo já classificada ao torneio por ser a sede, a seleção vai enfrentar os países em amistosos que não valem pontos. Mesmo na situação de "café com leite", o time vai medir forças contra Portugal, Sérvia, Irlanda, Luxemburgo e Azerbaijão. As partidas serão sempre na Europa, para facilitar a logística.

Em junho os catarianos virão novamente à América do Sul para jogar uma Copa América. Em 2019 a equipe esteve no Brasil para disputar o torneio e em 2021 farão o mesmo. O Catar, inclusive, está no grupo da seleção brasileira ao lado de Venezuela, Peru, Equador e a seleção da casa. Todas as partidas na primeira fase serão disputadas na Colômbia.

A passagem do Catar pelas Américas será prolongada porque em julho a equipe viaja para a América Central e do Norte para a disputa da Copa Ouro. A sede ainda não está definida. O país área vai enfrentar na primeira fase Grenada, Honduras e Panamá, que disputou a Copa da Rússia.

Apesar da experiência em enfrentar rivais de outros continentes, a seleção do Catar só tem jogadores que atuam no próprio país. O elenco passou nos últimos anos por um processo para diminuir a presença de atletas naturalizados, algo que era bem comum antigamente. Dos mais de 30 jogadores convocados ao longo do último ano, somente sete nasceram em outras nações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.