Atnonio Lacerda/EFE
Atnonio Lacerda/EFE

Cavani revela fascínio por poder jogar no Maracanã e dá conselho a Neymar

Uruguai enfrenta o Chile nesta segunda-feira, pela terceira e última rodada do Grupo C da Copa América

Redação, Estadão Conteúdo

22 de junho de 2019 | 18h34

A seleção do Uruguai enfrentará o Chile, nesta segunda-feira, pela terceira e última rodada do Grupo C da Copa América, em um dos estádios que mais traz boas lembranças para os uruguaios. O Maracanã, no Rio de Janeiro, é um lugar histórico para o futebol do país, pois em 1950 o título da Copa do Mundo foi conquistado no local com uma vitória de virada por 2 a 1 sobre o Brasil. Centroavante do time atual, Edinson Cavani revelou fascínio por poder jogar em um lugar tão importante.

"Na história do país, quando se fala em Maracanã, creio que dá um sentimento particular. Os meninos de hoje não sabem tanto, mas nós sabemos como foi esse momento. É um luxo atuar neste estádio com a camisa do Uruguai. O nosso país respira futebol. Nesse momento não tem cores ou política, apenas a seleção. Tem outros momentos da nossa história que são bons, mas esse é um dos que mais marca. É importante, um momento especial", disse Cavani, neste sábado, em entrevista coletiva.

Ao contrário do companheiro de ataque Luis Suárez, que criticou bastante o estado ruim dos gramados dos estádios da Copa América, Cavani disse não se importar com isso. "No futebol, acredito que quando o campo está feio, é para os dois times. Não sei o quão melhor pode ser o time com um gramado em melhor qualidade. Estamos falando de estádios em que se jogam campeonatos bons. Nunca coloco a culpa nos estádios. Estamos jogando em bons locais e campos. Para todos é igual", afirmou.

Cavani não se absteve de falar sobre o brasileiro Neymar, seu colega no Paris Saint-Germain, que está passando por um momento difícil ao se lesionar gravemente no tornozelo direito, que o tirou da Copa América, e por sofrer uma acusação de estupro.

"Falava com Neymar enquanto estava na França, mas neste momento não falei com ele. Sabemos de tudo que está passando. Acredito que na vida muitas vezes é melhor respirar e pensar o que está acontecendo. A partir dai, pensar nas soluções. É um momento difícil, ele tem carisma, capacidade para seguir. Espero que ele se recupere. Que deixe o que passou para trás", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.