Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

CBF troca presidente da comissão de arbitragem

Sérgio Corrêa deixa o cargo, para ser substituído por Coronel Marinho

O Estado de S. Paulo

27 de setembro de 2016 | 16h32

A CBF anunciou nesta terça-feira a mudança na presidência da Comissão Nacional de Arbitragem. Antigo responsável pela pasta, Sérgio Corrêa da Silva, deixa o cargo para cuidar apenas de estudos para implementar árbitros de vídeo. O dirigente estava na segunda passagem pelo órgão, de onde foi demitido em 2012 pelo então presidente José Maria Marin, e retornou em maio de 2014. O novo ocupante da presidência será Marcos Cabral Marinho de Moura, o Coronel Marinho, ex-dirigente da Federação Paulista de Futebol (FPF).

A troca oficializada nesta terça concretizou a quarta mudança na Comissão de Arbitragem em quatro anos. A primeira troca foi a própria saída de Corrêa para a vinda de Aristeu Leonardo Tavares, que ficou menos de um ano. O substituto foi demitido depois de conceder entrevista polêmica em que revelou denúncias de manipulação de resultados.

Depois de Tavares, Antônio Pereira da Silva assumiu a presidência, cargo em que permaneceu por pouco mais de um ano, até a volta de Corrêa. O dirigente, desligado nesta terça, foi árbitro da CBF entre 1989 a 2000 e presidente do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo.

Coronel Marinho terá como vice-presidente Alício Pena Júnior. Também farão parte da Comissão os ex-árbitros Cláudio Cerdeira e Ana Paula Oliveira. As alterações incluem também a Escola Nacional de Árbitros de Futebol (ENAF), que dá lugar a Manoel Serapião Filho.

Coronel Marinho chefiou a arbitragem da Federação Paulista de Futebol por 11 anos, até 2016. A saída dele se deu após erro na escala de árbitros para jogos da Copa São Paulo de Futebol Junior.

Mais detalhes sobre a mudança serão anunciados em entrevista coletiva na sede da CBF na tarde desta quarta-feira. O responsável pela arbitragem nos campeonatos nacionais estava sob pressão e crítica dos clubes pela qualidade dos juízes nas partidas.

Em entrevista ao canal SporTV, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, explicou que a troca se deu em comum acordo. "Reconhecemos o cansaço e a sobrecarga do Sérgio Corrêa. É uma escolha sensata, extraída a partir do pedido dele próprio, somada a uma necessidade de reformulação de ares."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.