Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

CBF apresenta às delegações seu novo presidente

Sentado no fundo da sala de reunião da Fifa, Caboclo não pode votar

Jamil Chade, enviado especial/Moscou, Estadão Conteúdo

13 Junho 2018 | 04h33

O presidente eleito da CBF, Rogério Caboclo, não pode se sentar na mesa da delegação brasileira no Congresso anual da Fifa. Mas o dirigente que assumirá seu cargo em 2019 tem sido apresentado por cartolas brasileiras aos demais países como o sucesso de Marco Polo Del Nero.

+ Repetindo 'velha Fifa', Infantino distribui R$ 2,8 bi em bondades a cartolas

+  Mbappé afirma estar bem após levar pancada em treino da França

+ Lateral da Sérvia, Rukavina aconselha jovens para evitar erros de 2010

Caboclo tem liderado a delegação da seleção brasileira em Sochi. Mas viajou até Moscou nesta quarta-feira para reuniões na Fifa e ser introduzido como o futuro comandante do futebol brasileiro. Ainda assim, ele teve de se sentar numa ala no fundo da sala de exposições em Moscou. 

Na mesa do Brasil, a chefia da delegação é do coronel Antonio Nunes, acompanhado por dois vice-presidentes. Será ele quem votará pela CBF na escolha da sede da Copa de 2026. A eleição ocorre nesta quarta-feira. 

Assumindo uma postura praticamente de “rainha da Inglaterra”, o coronel tem o compromisso de não mudar os planos da instituição até que Caboclo assuma. Mas, em assuntos e eventos que lhe podem dar visibilidade política e prestígio, ele tem assumido de fato a função de presidente.

Enquanto um cartola se passa por presidente e outro assume a gestão da seleção, fontes dentro da CBF confirmam que quem manda ainda no futebol nacional é o único cartola que não está na Copa: Del Nero. 

Indiciado nos EUA por corrupção, ele não pode sair do Brasil sob o risco de ser preso e acabou organizando sua própria sucessão. Mas, segundo fontes dentro da entidade, ele continua dando as cartas, definindo políticas e mantendo contato com diretores da instituição. 
 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.