CBF cassa liminares e espera iniciar as Séries C e D

Depois de um dia tenso, com reuniões, ameaças e julgamento de liminares, a direção da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) parece ter encontrado uma luz no fim do túnel para iniciar o Campeonato Brasileiro das Séries C e D - equivalentes às terceira e quarta divisões. A entidade obteve vitórias contra decisões da Justiça Comum nos Estados do Acre, Tocantins e do Rio Grande do Sul e no início da noite confirmou a exclusão do Brasil, de Pelotas (RS), da Série C. Com isso, a largada destas competições pode acontecer no outro final de semana - dias 23 e 24 de junho.

AE, Agência Estado

14 de junho de 2012 | 21h59

No início da tarde, o presidente da CBF, José Maria Marin, se reuniu com os representantes dos quatro clubes que entraram na Justiça Comum reclamando por seus supostos direitos: Brasil-RS, Rio Branco-AC, Treze-PB e Araguaína-TO. O encontro durou mais de duas horas na sede do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro.

Marin pediu aos dirigentes dos clubes que retirassem as ações, mas não foi atendido. Depois os ameaçou e deu prazo até a próxima segunda para que os clubes cumprissem a orientação, sob pena deles sofreram sanções da Fifa, que coíbe ações na Justiça Comum. A pena, mais rigorosa, seria a exclusão deles de todas as competições oficiais.

À tarde, a CBF conseguiu vitórias importantes nos tribunais. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) de Brasília derrubou as liminares da Justiça do Acre e de Tocantins, que favoreciam, respectivamente, a Rio Branco e Araguaína. E a vitória mais comemorada aconteceu no final da tarde, em Porto Alegre. A 12.ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul - TJ-RS - derrubou a liminar que incluía o Brasil na Série C. À noite, o site oficial da CBF se apressou em divulgar a conquista jurídica confirmando a exclusão do Brasil da Série C e devolvendo a vaga para o Santo André-SP.

Além disso, a CBF confirmou a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que puniu o time gaúcho com a perda de seis pontos, em virtude da "inclusão em seu time de um jogador sem condição legal, visto que deixou de cumprir a suspensão automática resultante de expulsão na última partida da Série C do ano de 2010".

De acordo com a entidade máxima do futebol nacional, a decisão da justiça gaúcha fortalece a confiança da CBF na obtenção de um resultado final, reconhecendo a competência do STJD em apreciar e julgar a matéria. Agora resta saber qual time vai ficar com a última vaga da Série C: o Rio Branco, que fez um acordo ano passado com a CBF, ou o Treze, que sonha com a mesma vaga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.