Reprodução
Reprodução

CBF cede a clubes e arbitragem eletrônica pode ser usada em 2016

Entidade também autoriza times a acompanhar sorteio da escala

MARCIO DOLZAN, Estadão Conteúdo

11 de setembro de 2015 | 16h25

A pressão da Comissão Nacional de Clubes por mudanças na arbitragem brasileira começou a surtir efeito. Um dia após os representantes dos clubes se reunirem na sede da CBF e elaboraram um documento pedindo maior representatividade na Comissão de Arbitragem e cobrando melhor desempenho dos juízes dentro de campo, a CBF informou nesta sexta-feira que solicitará à Fifa a utilização de recursos eletrônicos no Campeonato Brasileiro do próximo ano. Ao mesmo tempo, a entidade autorizou a indicação de cinco representantes dos times para acompanhar o trabalho de escolha dos árbitros nas partidas.

Segundo a CBF, a entidade já tem um projeto pronto, que será entregue à Fifa para avaliação. O ex-árbitro Manoel Serapião Filho será o responsável pela implantação da tecnologia e viajará a Londres no próximo mês para participar do Painel Técnico Consultivo da IFAB (International Football Association Board), órgão que regulamenta as regras do futebol.

Pela proposta, será criado o cargo de Árbitro de Vídeo (AV), que acompanhará os lances pela TV e, com o recurso do replay, poderá acionar o árbitro de jogo via ponto eletrônico para informar erros de marcação. Segundo a CBF, o AV "terá a atribuição de corrigir erros técnicos ou disciplinares claros e indiscutíveis que possam alterar diretamente o resultado ou o desenvolvimento das partidas".

Assim, o Árbitro de Vídeo poderá esclarecer dúvidas sobre se bola entrou ou não no gol, saídas pela linha de fundo, o local correto de faltas ocorridas no limite da grande área, impedimentos e até mesmo rever marcação de pênaltis.

A informação foi divulgada no site da CBF. "Sabemos que é impossível a seres humanos atingir o índice de erro zero na arbitragem. Por isso, considerando a solicitação dos clubes, a CBF pleiteará junto à Fifa a aprovação do uso de imagens da TV para auxiliar os árbitros. Queremos que o Brasil tome a liderança no processo de introdução da tecnologia no futebol e que sirva de referência para outros campeonatos no mundo", declarou o presidente da entidade, Marco Polo Del Nero.

A entidade também acatou outra solicitação dos clubes, que deverá ser implantada já este ano, para acompanhamento da escolha dos quartetos de arbitragem. Serão indicados cinco representantes - um para cada região do País. Eles acompanharão todo o processo de escolha dos árbitros nas quatro séries do Brasileiro e poderão visitar a Escola Nacional de Arbitragem.

As medidas foram solicitadas em reunião de quase quatro horas realizada na última quinta-feira e que contou com a presença do secretário-geral da CBF, Walter Feldman. Havia a expectativa que, durante o encontro, os clubes pressionassem a entidade pela queda do presidente da Comissão de Arbitragem, Sergio Corrêa, mas as agremiações chegaram a um consenso de que uma maior representatividade na comissão já seria suficiente. "É muita responsabilidade para ficar com uma pessoa só", afirmou Daniel Nepomuceno, presidente do Atlético Mineiro, logo após o encontro.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCBFarbitragemtecnologiaFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.