CBF
CBF

CBF confirma treinadora sueca para comandar seleção brasileira feminina de futebol

Pia Sundhage é bicampeã olímpica à frente do time feminino dos Estados Unidos

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2019 | 11h50

A CBF confirmou nesta quinta-feira a contratação da treinadora sueca Pia Sundhage para comandar a seleção brasileira feminina de futebol. A técnica de 59 anos, bicampeã olímpica à frente do time feminino dos Estados Unidos, vai substituir Vadão, demitido na segunda-feira. Pia acertou contrato de dois anos com a CBF, com possibilidade de renovação pelo mesmo período. Antes de chegar ao acordo, selado na quarta, a sueca vinha comandando o desenvolvimento da base da seleção do seu país.

No comando da equipe feminina do Brasil, a sueca terá por missão reformular o time que já está classificado para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, depois da campanha brasileira no Mundial da França. O time comandado por Vadão foi eliminado nas oitavas de final.

Pia Sundhage tem ampla experiência na Olimpíada. Foi campeã em 2008 e 2012 e vice em 2016, quando comandava a seleção do seu país. Foi ainda vice no Mundial de 2011, ainda pelos Estados Unidos. "Pia reúne a experiência e o talento perfeitos para isso. É uma enorme alegria termos essa lenda do futebol feminino no nosso time. Na busca permanente por inovação e excelência, teremos pela primeira vez uma treinadora estrangeira comandando a seleção brasileira feminina", afirmou o presidente da CBF, Rogério Caboclo.

Segundo o dirigente, a técnica sueca terá a missão também de integrar as diferentes equipes femininas da seleção desde a base. "A escolha da Pia reflete a nova dimensão que vamos imprimir ao futebol feminino no Brasil. A partir da sua chegada, desenvolveremos um planejamento totalmente integrado entre a seleção principal e a base, equilibrando objetivos de curto prazo, como Tóquio-2020, com a renovação contínua dos nossos talentos", declarou.

Pia chega à seleção brasileira com uma longa trajetória no futebol feminino. Ela iniciou sua carreira de jogadora aos 17 anos, na Suécia. Esteve no primeiro Mundial organizado pela Fifa, em 1991. E competiu também na edição de 1995 e na Olimpíada de Atlanta-1996. Somou cinco gols em 13 partidas nestas três competições. No total, foram 144 jogos e 71 gols pela Suécia

De jogadora virou auxiliar técnica e teve sua primeira oportunidade como treinadora no Boston Breakers, dos Estados Unidos. Sem maior brilho nos clubes, se destacou mais nas seleções. Começou esta trajetória como auxiliar na China e esteve no Mundial de 2007. Depois comandou, já como treinadora, as seleções dos Estados Unidos e Suécia.

Seu melhor ano foi 2012, quando foi campeã olímpica em Londres e foi eleita a melhor técnica do futebol feminino pela Fifa. "Adultos e crianças querem jogar futebol. Não importa se é menina ou menino. Você tentará ser muito bom. Só pensa nisso, não importa o gênero. É a mesma coisa como técnica. Para fazer isso, ao olhar a história, você vê que precisa ter vontade, ter paixão e amar o jogo. Às vezes é injusto porque existem alguns obstáculos a mais para as mulheres dentro de um ambiente masculino como o futebol. Mas, se você tem força de vontade e paixão, juntando esses dois elementos, pode fazer a diferença", comentou a nova treinadora da seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.