CBF contabiliza 31 transferências para China entre 2014 e 2015

Atual campeão brasileiro, o Corinthians já perdeu quatro titulares para o futebol chinês. Com o que parece ser um saco sem fundo de dinheiro, os chineses têm seduzido jogadores dos clubes brasileiros, num processo que ficou está cada vez mais evidente, mas que já começou há pelo menos duas temporadas.

Estadão Conteúdo

20 Janeiro 2016 | 20h16

Nesta quarta-feira, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) publicou um levantamento da sua diretoria de registro de transferência que mostra que 31 jogadores deixaram o futebol brasileiro rumo a clubes chineses entre 2014 e 2015, numa divisão praticamente igual entre os dois anos: 15 em 2014, 16 em 2015.

De acordo com a CBF, o Shandong Luneng, que era treinado por Cuca, e o Chongqing Lifan foram os times que mais contrataram nessas duas temporadas, com quatro negociações cada.

A lista de jogadores que fizeram a viagem do Brasil à China nestes últimos dois anos tem os argentinos Barcos, Montillo e Conca e o boliviano Marcelo Moreno. Também se transferiram para o futebol chinês nomes como Aloísio, Diego Tardelli, Ricardo Goulart, Robinho, Wagner e Paulo André.

Dentre esses 31 jogadores, alguns já voltaram ao Brasil, como é o caso de Paulo André, agora no Atlético-PR, e de Hyuri, que marcou na estreia pelo Atlético-MG. Reforço do São Paulo, Kieza foi à China ainda em 2013 e não entra nesta listagem.

Em 2016, a China já levou do Brasil os corintianos Gil, Ralf, Renato Augusto e Jadson, o são-paulino Luis Fabiano e Biro-Biro (ex-Fluminense e Ponte Preta). Entre os alvos do mercado chinês ainda estão Alexandre Pato, Geuvânio, Anderson e Paulo Henrique Ganso.

Mais conteúdo sobre:
futebolChinatransferências

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.