Marcos de Paula/AE - 16/12/2009
Marcos de Paula/AE - 16/12/2009

CBF define prêmio de R$ 1 milhão pelo título da Copa

Ricardo Teixeira abre os cofres para premiar jogadores se o hexacampeonato for alcançado na África

ROBSON MORELLI, Enviado Especial - O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2010 | 08h03

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai oferecer cerca de R$ 1 milhão para cada um dos 23 jogadores da seleção caso o time conquiste o título mundial, o sexto da história do País. A premiação, embora expressiva, não causa grande impacto na situação da maioria dos atletas. Com exceção de Gilberto, que joga no Cruzeiro, e Kleberson, do Flamengo, os outros vivem a realidade do futebol europeu, com salários altamente atrativos.

Veja também:

Com grupo completo, seleção faz treino puxado

Taffarel ajuda no treino dos goleiros

Júlio César critica bola da Copa

SIMULADOR - tabela Dê os palpites para a Copa

BLOG BRASIL NA COPA - forum Os bastidores da seleção

No caso do Brasil há ainda um fator a ser levado em conta: a maioria atua em clubes de grande expressão da Europa, sempre envolvidos em decisões de campeonatos nacionais ou de torneios da Uefa. É o caso de Júlio César, Maicon e Lúcio, que embolsaram cada um a quantia de 600 mil euros (R$ 1,35 milhão) pelos três títulos conquistados pela Inter de Milão na temporada (Liga dos Campeões, Campeonato Italiano e Copa da Itália).

Para a CBF, o valor de R$ 1 milhão para cada um do elenco, independentemente de sua participação nos jogos da Copa, e também para Dunga, totalizando R$ 24 milhões sem contar a recompensa rateada aos demais integrantes da delegação, pelos quais o treinador vai brigar, acaba sendo algo irrisório perto do que a entidade vai lucrar com a conquista na África do Sul.

Já era para ter sido dessa forma na Alemanha. Em 2006, quando o Brasil caiu diante da França nas quartas de final, o elenco de Carlos Alberto Parreira deixou de ganhar quantia parecida, mas levou para a casa prêmio de consolação de US$ 260 mil (R$ 468 mil). Agora, a CBF resolveu repetir a estratégia e dobrar o valor para a equipe fazer dois jogos a mais e passar a limpo o rascunho de quatro anos atrás.

Dinheiro não é problema para a entidade. Ainda mais em ano de Copa do Mundo. Com seus dez patrocinadores, estima-se que a CBF contabilize arrecadação anual de R$ 220 milhões. E a conquista de mais um título só tornaria a seleção, de Dunga ou de quem vier no próximo ciclo, ainda mais atraente aos olhos de seus anunciantes. É negócio que rende.

Dunga participará da discussão envolvendo o prêmio pela campanha na África. E não acredita que os jogadores criarão caso para aceitar a bolada nem que a CBF demore muito mais para bater o martelo no valor que já está definido. "O que digo é que o combinado não é caro. A linha é essa. Todos nós já trabalhamos e temos nossos salários".

Seu auxiliar, Jorginho, foi mais enfático. "Eles, os jogadores, não vêm para cá por causa do dinheiro. Começaremos a competição com isso já resolvido, passado pelo presidente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.