Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

CBF determina torcida única para Palmeiras x Flamengo; clube carioca quer portões fechados

Jogo no próximo domingo, no Allianz Parque, só terá a presença de alviverdes para atender recomendação do MP

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2019 | 16h31

O jogo do próximo domingo entre Palmeiras e Flamengo no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro, será de torcida única. A CBF acatou nesta sexta-feira a recomendação do Ministério Público (MP) de São Paulo de que a partida só tenha a presença de palmeirenses, por questões de segurança. O órgão alega que obteve com a Polícia Militar (PM) informações de brigas marcadas pela internet e emboscadas organizadas para atacar ônibus de flamenguistas.

Uma reunião na sede da CBF, no Rio de Janeiro, bateu o martelo sobre a medida, que é incomum no Brasileiro quando se trata de encontro de times de Estados diferentes. Em São Paulo, a torcida única existe desde 2016 mas apenas para clássicos entre clubes locais, independentemente da competição. No primeiro turno, no Maracanã, Flamengo e Palmeiras se encontraram em partida que teve a presença da torcida visitante.

Nos últimos dias o Palmeiras abriu a venda de ingressos para o jogo de domingo, porém aguardava a definição da CBF sobre se poderia ou não comercializar bilhetes para os visitantes. Até o balanço divulgado na tarde desta quinta-feira, haviam sido vendidos 17 mil bilhetes.

Em nota oficial, o Flamengo lamentou a adoção da torcida única, ao considerar que se trata de um desequilíbrio no campeonato e criticou a interferência das autoridades na organização do Brasileirão. "A não permissão da convivência de rubro-negros e alviverdes decreta a falência da segurança pública e a morte da cultura de arquibancada do futebol brasileiro", diz o texto.

O clube carioca prometeu ainda encaminhar o assunto à Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e sugere que se o problema do jogo é de segurança pública, o mais adequado é que a partida não tenha público. "Se a Polícia Militar não se sente em condições de dar segurança a todos os envolvidos na partida, esta deveria ser realizada em outro local ou com portões fechados", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.