Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

CBF e federações estaduais têm parceria pelo poder

Com agrados como mensalinho e viagens à Copa, entidade nacional tem apoio total das estaduais e ajuda seus cartolas a se ‘eternizarem’ nos cargos

Almir Leite e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2018 | 17h02

Em abril de 2014, Marco Polo Del Nero foi eleito presidente da CBF, para assumir um ano depois, com votos de 26 das 27 federações estaduais. No mês passado, Rogério Caboclo foi eleito presidente da CBF, a partir de abril de 2019, com votos das 27 federações. Isso porque, o presidente da Federação Gaúcha, Francisco Novelletto, que se abstivera no pleito anterior, desta vez votou no candidato único. Desde 1989 tem sido assim. O indicado da situação é eleito, ou reeleito, com apoio maciço dos presidentes de federações estaduais.

+ Del Nero acumulou cargos em mais de 40 anos no futebol

+ 'Telefonemas mostram que não teve interferência', diz presidente da FPF

Esse apoio não é de graça. A CBF trata os presidentes de federações com muitos mimos. Convites para chefiar delegações da seleção em amistosos e torneios oficiais, criação de competições regionais e mesadas. Este ano, eles terão um bônus: ida à Copa do Mundo da Rússia, com todas as despesas pagas.

O “voo da alegria’’ levará os presidentes de federações – e de dez clubes das Séries A e B, definidos por sorteio – para assistir aos jogos do Brasil na primeira fase. Os convites foram feitos em fevereiro, mas a CBF nega que tiveram cunho eleitoral em favorecimento a Caboclo. Alega a entidade que a viagem tem como objetivo o aprimoramento dos dirigentes em nível administrativo.

Questionada pelo Estado sobre o tema, a entidade enviou na sexta-feira a mesma nota divulgada em 26 de fevereiro em que diz entender que “a presença das federações é algo natural e importante por tratar do maior evento de futebol do mundo’’. Lembra a entidade que os dirigentes são responsáveis por administrar competições regionais e que não irão à Rússia a passeio. “Além dos jogos da seleção, está sendo preparada uma agenda de trabalho para os dirigentes, com reuniões institucionais e atividades de acompanhamento da organização do evento.’’

Na prática, seja ano de Copa ou não, os dirigentes ajudam a CBF a manter quem quer no poder e são ajudados a permanecer no comando em seus Estados. Assim, alguns praticamente se eternizam. É o caso de Francisco Cezário, que preside a Federação do Mato Grosso do Sul desde 1998 e no último dia 30 foi eleito para mais quatro anos – mandato que começa apenas em abril de 2019. É um dos cartolas que estão há 20 ou mais anos no poder. Mas está longe do campeão Zeca Xaud, há 44 anos à frente do futebol de Roraima. Ele tem 73 anos. Tornou-se presidente aos 29.

Incentivo à longevidade não falta. Um deles é o “mensalinho’’, pelo qual são repassados às entidades estaduais R$ 75 mil a cada 30 dias, por meio do Programa de Assistência às Federações (PAF), além de outros R$ 25 mil destinados diretamente aos presidentes.

Criada por Ricardo Teixeira em 1993, a mesada é considerada essencial pelas federações menores, que praticamente não têm receita advindas de competições e patrocínios. Os presidentes alegam que o dinheiro ajuda a financiar campeonatos de todas as categorias, torneios femininos e pagamento de arbitragem, entre outras despesas.

Os dirigentes estaduais, mesmo as mais ricas, defendem as benesses. “O PAF é justo e correto. As federações são as representantes da CBF em seus Estados’’, disse o presidente da Federação Paulista, Reinaldo Carneiro Bastos. “Tem sua importância porque promovemos campeonatos de base, femininos e temos ações sociais. Mas o maior patrocinador do meu futebol são as empresas privadas’’, disse José Vanildo da Silva, presidente da federação do Rio Grande do Norte.

Sobre o continuísmo, Vanildo, no poder desde 2007 (nos dois primeiros anos, completou como vice o mandato de Alexandre Cavalcanti), ele lembra que a lei que regulamentou Profut vai acabar com a farra. A partir dos próximos mandatos – a maioria começará em 2019 – só será permitida uma reeleição.

Francisco Novelletto, o presidente da Federação Gaúcha, é mais radical. “Eu sou suspeito em falar, mas o cara quando é bom tem de ficar 200 anos’’, disse. Ele está há 14 anos na presidência e garante que sairá ao fim do mandato, em 2019. “Podia me candidatar de novo, mas não quero. No próximo ano, ele assumirá uma das vice-presidências da CBF.

O Estado tentou contato telefônico com Zeca Xaud, o presidente da federação de Roraima, e Antônio Aquiino Lopes, há 34 anos à frente da Federação Acreana, sem sucesso.

DIRIGENTES MAIS LONGEVOS

Zeca Xaud (Roraima): 44 anos

Antônio Aquino Lopes (Acre): 34 anos

Heitor Costa (Rondônia): 29 anos 

Leomar Quintanilha (Tocantins): 28 anos

Dissica Valério Tomaz  (Amazonas): 27 anos

Francisco Cezário de Oliveira (Mato Grosso do Sul): 20 anos

ENTREVISTA

José Vanildo da Silva, presidente da Federação Norte Rio-grandense de Futebol

O que o senhor acha da continuidade no poder das federações?  

Veja, um deputado federal, um senador, se elege dez, 11, 12 vezes. É eleito pela força do voto e pela obediência a um princípio legal. As federações obedecem regras estabelecidas em seus estatutos. Isso é norma individual de cada Estado, são os filiados que decidem as regras do jogo, não o presidente. Vale ressaltar que a lei do Profut acaba com essa continuidade. A partir de agora, vai estancar.

O senhor aceitou o convite da CBF para ir à Copa da Rússia?

Aceitei, porque acho que é um convite compatível, pela própria atividade das federações, que cuidam do futebol em seus Estados. Compreendo que é algo que guarda total afinidade do objetivo da CBF e da minha entidade. É forma de conhecer melhor os eventos, conhecer a forma de operação dos estádios e o maior evento do mundo. Como estou fazendo alguns exames de saúde, ainda não sei se irei.

A ajuda financeira que a CBF dá mensalmente é fundamental?

É importante porque promovemos vários campeonatos de base, feminino e ações sociais. Mas, no meu caso, o maior patrocinador do meu futebol são as empresas privadas. Não recebo recursos públicos, não tenho nenhuma ligação econômico-financeira com o poder público. Buscamos no mercado linhas de financiamento e patrocínio. Sobrevivo do projeto de marketing que desenvolvi desde o primeiro mandato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

‘Voo da alegria’ à Rússia custará até R$ 2,5 milhões

Presidentes de federações e de clubes das Séries A e B vão acompanhar a Copa de graça, a convite da CBF

Almir Leite e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2018 | 17h02

A CBF não confirma os valores, mas a estimativa é que a entidade gastará entre R$ 2 milhões e R$ 2,5 milhões para levar presidentes de federações e de dez clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro para acompanhar in loco na Rússia os três jogos da seleção na primeira fase da Copa do Mundo em Rostov, São Petersburgo e Moscou. Como justificativa para levar os cartolas ao Mundial, a CBF alega que também promoverá uma agenda de trabalho com reuniões e visitas técnicas às instalações que serão utilizadas no evento. Todos os gastos de passagem aérea e hospedagem serão bancados pela entidade.

+ Fifa aplica multa milionária e bane Del Nero do futebol para sempre

+ Poder e influência de Del Nero na gestão de Marin foram decisivos para punição

Após ensaiar um movimento de oposição à atual gestão da CBF antes da eleição de Rogério Caboclo e tentar viabilizar a sua candidatura, o presidente da Federação Paulista, Reinaldo Carneiro Bastos, decidiu recusar o convite da entidade, mas vai à Rússia. “Vou assistir aos três primeiros jogos do Brasil, mas por minha conta.”

Ele, no entanto, defende o convite feito pela CBF para levar os presidentes de federações ao Mundial. “A Copa é um evento que acontece a cada quatro anos. É o maior evento do mundo. Acho a viagem justa, mas tem de ter clareza. Não acho errado, mas a forma precisa ter transparência. Tem de falar as regras. Se a CBF tem certeza que aquilo é correto, não precisa esconder nada”, diz.

Apesar de ter votado em Caboclo, depois que tentou ser presidente da CBF o cartola perdeu a sua cadeira no Conselho da Conmebol. Agora, o novo representante do Brasil no órgão é o coronel Antônio Carlos Nunes, presidente da CBF.

O presidente da Federação Gaúcha, Francisco Novelletto Neto, também considera importante que a CBF leve ele e seus parceiros de entidades estaduais à Rússia durante a Copa.

“É importante porque vamos aprender, nos instruir. Eu trabalho a vida inteira para o futebol sem ganhar um centavo. Nada mais justo’’, disse. “Eu não preciso de dinheiro, eu tenho porque sou empresário bem-sucedido, mas é justo.’’

Ele vai assistir apenas aos dois primeiros jogos da seleção, contra Suíça e Costa Rica, pois tem compromissos no Brasil. “Mas depois eu vou voltar nas quartas de final e levarei 12 funcionários da minha empresa, que eu convidei. Todas as despesas serão pagas por mim.’’

Os clubes que tiveram presidentes sorteados para ir à Rússia são: Atlético-MG, Bahia, Atlético-PR, São Paulo, Ceará, Avaí, Guarani, CRB, Brasil-RS e Paysandu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.