Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

CBF: em dez anos, seis presidentes, quatro técnicos e apenas dois títulos com a seleção principal

Entidade que comanda o futebol brasileiro atualmente enfrenta crises com seu atual mandatário e com a polêmica Copa América; outros dirigentes foram afastados por corrupção

Marcio Dolzan/RIO, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2021 | 10h28

"Gestão eficiente", "moderna", "ele está fazendo mudanças que vão melhorar muito o futebol brasileiro" e "vocês não têm ideia de como esse homem trabalha" são alguns dos discursos vindos desde sempre de cartolas que orbitam o comando do futebol nacional. Na última década, contudo, difícil foi associar o dito com a prática. Com seus principais dirigentes acusados de crimes de todo tipo, nos últimos dez anos a CBF viu passar por seu comando nada menos do que seis presidentes diferentes. No período, a resposta apresentada pela seleção principal fez esses mesmos cartolas apostarem em quatro técnicos. Títulos, por sua vez, foram apenas dois. E magrinhos. 

Oficialmente, o mandato de um presidente na principal confederação esportiva do País é de quatro anos, podendo ser prorrogável por igual período. A eleição ocorre tradicionalmente em ano de Copa do Mundo. De 2011 para cá, foram duas (2014 e 2018). Assim, se os eleitos concorressem a apenas um mandato - o que raramente acontece -, a CBF teria tido no máximo três presidentes. Por ora, a contagem está no dobro.

Manter-se no cargo tem sido difícil porque, salvo os interinos, todos os presidentes eleitos viram-se às voltas com punições da Fifa, da Justiça ou, mais recentemente, de órgão vinculado à própria CBF. A palavra 'corrupção' frequentou a sede da entidade nos últimos anos. Há um pouco de tudo: suspeitas de suborno e de contratos superfaturados, condenação por lavagem de dinheiro e conspiração e, nos últimos dias, acusação de assédio moral e sexual. Todos os envolvidos negam qualquer irregularidade. Todos também foram afastados, alguns usaram tornozeleira, outros foram presos e há um que não deixa o Brasil por nada.

O primeiro a cair foi Ricardo Teixeira, genro de João Havelange, presidente da Fifa por 24 anos. O dirigente renunciou em março de 2012 após mais de duas décadas à frente da CBF. À época, vinha com investigações de duas CPIs nas costas, desgaste na preparação do Brasil para a Copa de 2014 e acusações de todo tipo no Brasil e no exterior. Posteriormente, seria acusado de vender seu voto para o Catar sediar o Mundial do ano que vem e de desvios em contratos da seleção brasileira. Foi banido do futebol pela Fifa em 2019.

Quando renunciou, Teixeira cedeu lugar a José Maria Marin. Ele ficou no cargo até abril de 2015, quando foi sucedido por Marco Polo del Nero, eleito no ano anteiror. Todos eram amigos.

Ex-governador de São Paulo, Marin virara notícia no meio esportivo no início de 2012 quando câmeras de TV o flagraram colocando no bolso uma medalha que deveria ter dado a um jogador durante a premiação da Copa São Paulo de Juniores. Como presidente da CBF, demitiu o então técnico da seleção brasileira, Mano Menezes, e colocou Luiz Felipe Scolari, o Felipão, em seu lugar. A mudança, ainda em 2012, veio após desempenho apenas regular de uma seleção que se preparava para a Copa do Mundo do Brasil.

Felipão conduziu o Brasil ao título da Copa das Confederações de 2013, após vitória épica sobre a então campeã do mundo Espanha no Maracanã. Tudo indicava que a seleção entrara finalmente nos eixos e que faria campanha inesquecível na Copa do Mundo. E fez mesmo, ainda que por vias tortas: ninguém jamais esquecerá o 7 a 1 sofridos diante da Alemanha na semifinal. Um dia triste para o futebol brasileiro.

O fracasso retumbante daquela Copa fez José Maria Marin - ainda presidente, mas já dividindo o poder com Marco Polo del Nero - a demitir Felipão em 2014 e contratar Dunga. Dunga foi o treinador que iniciou a gestão de Del Nero, que logo nos primeiros meses passaria a sangrar após o Fifagate. Marin foi preso na Suíça quando se preparava para o Congresso da Fifa. Del Nero, que estava no mesmo hotel, optou por voltar no mesmo dia para o Brasil para nunca mais cruzar as fronteiras do País. Até hoje não se sabe ao certo como ele escapou da batida policial.

Enquanto José Maria Marin passaria a viver seu ocaso no mundo do futebol - extraditado para os Estados Unidos, acabaria condenado à prisão por crimes de fraude financeira, lavagem de dinheiro e conspiração -, Del Nero tentava se manter no cargo na CBF mesmo sendo alvo de investigação da Justiça americana e da Fifa.

As acusações coincidiram com mais um desempenho pífio da seleção em campo, com o time de Dunga sendo eliminado na primeira fase da Copa América Centenário, em 2016, e com o Brasil fora da zona de classificação para a Copa do Mundo da Rússia. À época, Tite comandava o Corinthians e era apontado quase como unanimidade como melhor técnico para assumir a seleção. Pragmático, Del Nero aceitou as condições impostas pelo treinador e fez de conta que esquecera as críticas que sofrera do técnico meses antes. Como prova, chegou a beijar o rosto do técnico na apresentação, gesto conhecido nos filmes de máfia.

Acossado por investigações semelhantes às que levaram à derrocada de Marin, Del Nero, na sequência, se licenciaria do cargo. Para seu lugar, primeiro colocou o deputado capixaba Marcus Vicente, um dos cinco vices da CBF. Depois, promoveu o coronel Antônio Carlos Nunes para o cargo, a quem transformara em vice após articulação com presidentes de federações estaduais.

Del Nero foi banido do futebol pela Fifa em abril de 2018. Assim, o coronel Nunes já era o presidente da CBF por direito em 2018, quando Tite levou o Brasil às quartas de final da Copa da Rússia. A queda diante da Bélgica não causou abalo na confiança do treinador, mas quem negociou sua renovação foi o cartola que assumiria a entidade apenas no quadriênio seguinte: Rogério Caboclo. De perfil técnico, Caboclo também havia sido levado por Del Nero à CBF.  Diretor financeiro, em circunstâncias normais o apadrinhado não seria candidato à presidência. Mas era o homem de confiança do cartola.

Caboclo assumiu como quinto presidente em oito anos - sexto, considerando a interinidade de Marcus Vicente - em abril de 2019. Três meses depois, o Brasil conquistou a Copa América no Maracanã, naquele que foi apenas o segundo título mais ou menos relevante em dez anos. No domingo passado, o dirigente foi afastado após ser acusado de assédio moral e sexual dentro da CBF. E a principal confederação esportiva do Brasil, mais uma vez, precisou mudar de presidente por causa de um escândalo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.