AFP Photo/ Luis Acosta
AFP Photo/ Luis Acosta

CBF envia equipamento à Colômbia para ajudar na recuperação de Neto

Zagueiro tem o quadro mais complicado entre os quatro sobreviventes brasileiros do desastre aéreo da última semana

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2016 | 07h11

A CBF vai enviar à Colômbia um especialista e um equipamento moderno para ajudar na recuperação do zagueiro Neto, da Chapecoense. O defensor é quem apresenta o quadro mais grave entre os quatro brasileiros sobreviventes do desastre aéreo da última semana. Por ser o único a ainda continuar sedado, deve receber a partir já desta sexta-feira uma assistência especial no hospital San Vicente, em Rionegro, onde está internado.

O presidente da Comissão de Controle de Doping da CBF, Fernando Solera, e o presidente da comissão de médicos da entidade, Jorge Pagura, estiveram na Colômbia na última semana para acompanhar o trabalho de recuperação dos sobreviventes e ajudaram a organizar as transferências de todos para o mesmo hospital. O próximo passo será a chegada ao país vizinho de equipamento moderno para ajudar na recuperação da lesão torácica do jogador.

O tomógrafo de impedância térmica é um aparelho utilizado para avaliação funcional e tratamento de problemas pulmonares. Nesta sexta-feira o aparelho deve chegar ao hospital. Além disso, estará na Colômbia o especialista em choque pulmonar Gustavo Janot, do hospital Albert Einstein. Neto tem respondido aos tratamento e segundo os médicos do hospital, a expectativa nos próximos dias é de reduzir a sedação do zagueiro.

O defensor foi o último a ser retirado do local do acidente e, por isso, ficou exposto a temperatura baixas. A equipe médica do hospital colombiano identificou nos últimos dias a bactéria que infectou os pulmões do jogador, que já tem sido combatida. Dos quatro sobreviventes, o zagueiro é o único que se manteve sedado durante todo o período. Os outros três que estão em melhores condições são o lateral Alan Ruschel, o goleiro Follmann e o jornalista Rafael Henzel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.