CBF financia campanha de 10 políticos

Do PT ao PFL pelo menos 10 candidatos receberam doação da Confederação Brasileira de Futebol em suas campanhas nas eleições de 1998. Entre eles, estão Delfim Neto (PPB-SP), Eurico Miranda (PPB-RJ), Darcísio Perondi (PMDB-RS), Carlos Santana (PT-RJ), os senadores José Agripino ( PFL-RN), Hugo Napoleão (PFL-PI) e Antonio Carlos Amorim Júnior, filho do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. No total, a CBF distribuiu R$ 5.138.000,00 em doações a políticos e entidades. De acordo com o deputado Pedro Celso (PT-DF), "é inconcebível que uma entidade que estivesse em situação pré-falimentar saia distribuindo sem critérios doações para campanhas políticas". Ricardo Teixeira disse que a legislação brasileira não proíbe a CBF de fazer doações em campanha. Mas o deputado Pedro Celso refutou dizendo que o artigo 24 da Lei 9.504/97 dispõe que não pode fazer doação em campanhas eleitorais, ao que Ricardo Teixeira retrucou: "Desde 1998 a CBF não é mais uma entidade sem fins lucrativos e todas as doações foram declaradas na Justiça Eleitoral".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.