Silvia Izquierdo/ AP
Silvia Izquierdo/ AP

CBF garante Dunga e diz buscar trabalho de 'longo prazo' na seleção

Walter Feldman vê Brasil em fase de transição após Copa-2014

Rodrigo Viga Gaier, REUTERS

29 de junho de 2015 | 16h44

O secretário-geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Walter Feldman, garantiu nesta segunda-feira a permanência do técnico Dunga à frente da seleção e disse que a entidade defende um trabalho de "longo prazo" neste momento de "transição" do futebol brasileiro.

Em mais um fracasso, o Brasil foi eliminado da Copa América nas quartas de final pelo Paraguai, nos pênaltis, no sábado. Nesta semana deve ocorrer uma reunião entre a comissão técnica e a cúpula da CBF, mas, de acordo com Feldman, trata-se de um encontro para analisar eventuais ajustes até o início da campanha nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. "O Dunga não corre risco. Absolutamente", disse ele em entrevista à Reuters.

Na Copa América de 2011, o Brasil também tinha sido eliminado pelos paraguaios em uma disputa de pênaltis. Para o secretário-geral da CBF, a seleção brasileira passa por uma fase de transição após o fracasso na Copa do Mundo, que incluiu a derrota humilhante de 7 x 1 para a Alemanha na semifinal.

"Está começando o novo processo agora pós-Felipão. O Dunga está iniciando e o Brasil, nessa etapa de transição do futebol brasileiro, não pensa em planejamento de curto prazo. Pensamos no longo prazo para ir reconquistando maturidade e um futebol mais moderno, equilibrado e estável", disse ele.

O número 2 da CBF evitou comentários ou críticas técnicas aos jogadores de Dunga na Copa América, mas mostrou certo incômodo com o pênalti cometido pelo capitão do Brasil no Mundial, o zagueiro Thiago Silva. "Aquela mão boba infelizmente nos tirou da competição. Era um jogo relativamente fácil. Pênalti depois é imprevisível."

Na Copa América, o Brasil perdeu também seu único craque, o atacante Neymar, suspenso por quatro jogos após perder a cabeça numa confusão após a derrota para a Colômbia na primeira fase. "Sem o Neymar ficou mais difícil porque ele é essencial para o funcionamento do time", afirmou. Tanto Neymar quanto Thiago Silva já tiveram um conversa com a comissão técnica, segundo Feldman. "Acho que os dois já foram alvo de conversas sensatas e maduras."

Apesar do novo fracasso, a cúpula da CBF não teme que o Brasil não se classifique para a Copa do Mundo da Rússia. "Acho que não há menor chance disso acontecer. Nós vamos para luta. Temos tempo necessário para realizar o trabalho e fazer a análise crítica dos problemas. Vamos para luta mais uma vez", finalizou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolselecao brasileiracbfdunga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.