Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

CBF joga duro com europeus na Copa América

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) também vai ?jogar duro? com os clubes europeus para ter com antecedência o time completo na Copa América, entre 6 e 25 de julho, no Peru. O técnico Carlos Alberto Parreira não quer antecipar o problema, mas deixou claro que a entidade agirá com firmeza. ?Vão ser tomadas medidas radicais; se tivermos de convocar três ou quatro jogadores de uma mesma equipe, não vamos pensar duas vezes. Essa discussão sobre a Copa América ainda vai nos dar muita dor de cabeça.? Parreira diz que está apenas seguindo o Estatuto do Jogador, documento da Fifa que prevê a liberação com cinco dias de antecedência de atletas convocados para compromissos oficiais de seleções nacionais. Ele já declarara que não abriria mão de ter os convocados para a partida contra o Paraguai, dia 31 de março, pelas eliminatórias do Mundial de 2006, dentro do prazo estabelecido pela Fifa. E atribuiu, em parte, o insucesso da seleção pré-olímpica no torneio classificatório à recusa de clubes da Europa em liberar atletas. ?Deixamos de utilizar o regulamento da Fifa no Pré-Olímpico e fomos prejudicados pela ausência de Adriano, Júlio Baptista e Kaká no torneio?, disse. A Copa América seria uma oportunidade ímpar para o técnico Ricardo Gomes, então no comando da equipe sub-23, entrosar o grupo que disputaria os Jogos de Atenas. A CBF já aprovava a idéia de levar para o Peru o time de garotos. Ninguém na entidade, porém, acreditava na eliminação do Brasil no Pré-Olímpico do Chile. Com o vexame, a Copa América passou a ser prioridade para a CBF. E o próprio Parreira afirmou que vai convocar os melhores jogadores para a competição, ou seja, deve repetir a base da equipe pentacampeã do mundo. O coordenador-técnico Zagallo também sabe que a comissão técnica vai ter aborrecimento no meio do ano, por causa da Copa América. ?Vamos querer o melhor, vamos buscar o melhor, é a nossa obrigação, e aí vamos ver o que vai acontecer. É uma briga boa, mas a seleção não pode deixar de ver os seus interesses.? Para o supervisor Américo Faria, pode haver um outro obstáculo na hora de Parreira definir os nomes dos escolhidos para a Copa América. ?O Campeonato Brasileiro estará em plena disputa; não vai ser interrompido.? Ele disse que sempre existe certa complacência do treinador com os clubes quando o Brasil vai realizar, por exemplo, um amistoso. ?Neste caso, há uma ponderação, para não trazer prejuízos aos clubes em competições importantes. Mas, em jogos oficiais, em disputas de grandes torneios, a situação muda?, comentou Faria. Brasil, Argentina e Peru vão ser cabeças-de-chave na Copa América, que contará com 12 seleções, incluindo-se a do México e a de Costa Rica, convidadas especiais. A seleção ficará na cidade de Arequipa, a 2.300 metros de altitude. O sorteio dos três grupos de quatro equipes vai ocorrer em 8 de março, na sede da Confederação Sul-Americana de Futebol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.