CBF não pretende liberar os jogadores

Depois de uma reunião entre a comissão técnica e dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a entidade divulgou em seu site oficial na internet que não vai liberar nenhum jogador nas duas últimas partidas da Seleção nas Eliminatórias Sul-Americanas, dia 9 de outubro, contra a Bolívia, em La Paz, e dia 12, em Belém, contra a Venezuela. Havia uma movimentação entre alguns jogadores para pedir dispensa da próxima convocação ou mesmo forçar um descanso do chefe, entendendo que as partidas não valeriam nada de muito importante uma vez que o Brasil já estaria classificado para o Mundial. Teriam depois um argumento para pedir liberação de seus clubes mais perto da Copa. Mas Parreira e a CBF acabaram com essa história, pelo menos a uma mês da nova convocação. A entidade entende que não há muito mais atletas para ser observado pelo técnico, e a oportunidade, mesmo sem interesse competitivo, deve ser aproveitada para entrosar o elenco. Parreira disse não abrir mão disso. "O interesse é manter o grupo sempre unido. Vamos manter a base para os outros jogos", comentou o treinador, lembrando que o Brasil ainda poderá ficar na frente da Argentina no torneio.Ronaldo confessou que seu pedido de dispensa da Copa da Confederações causou mal-estar para ele e para a CBF, e não quer saber mais de ficar fora de nada. Ele jura. Ronaldo está pendurado com cartões amarelos e garantiu que não irá provocar mais um para perder a condição em La Paz. "Não penso em pedir liberação. Depois do mal-estar que senti ficando fora da Copa das Confederações, não peço mais nada. Quero estar com a Seleção", disse o craque.O lateral Roberto Carlos comentou que entenderia caso Parreira quisesse testar outros atletas, mas está disposto a enfrentar a Bolívia e a Venezuela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.