Rafael Arbex - Estadão - 09/10/2104
Rafael Arbex - Estadão - 09/10/2104

CBF nega falta de transparência e tenta aprovar balanço

Liminar suspendeu reunião de aprovação das contas de Del Nero

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2016 | 16h44

O secretário-geral da CBF, Walter Feldman, afirmou que "não houve restrição" ao presidente da Federação Catarinense de Futebol, Delfim Peixoto, para ter acesso ao balanço financeiro da entidade. Neste domingo, o dirigente catarinense obteve na Justiça uma liminar para suspender a reunião de aprovação das contas do mandato de Marco Polo Del Nero na CBF. A assembleia geral teve início, mas um oficial de Justiça fez valer a liminar concedida pelo juiz Paulo Assed Estefan, e a votação não pôde ser feita.

"As contas estão abertas para todos os dirigentes aqui na CBF desde o mês passado. Fora isso, ainda deixamos os advogados do Delfim ver o material na sexta, mas eles se recusaram", disse Feldman. "Esperamos que isso se resolva logo, sem criar problemas jurídicos", afirmou o secretário-geral.

Feldman afirma que não houve restrição de acesso ao balanço financeiro

 

Os dirigentes da CBF tentam convencer Peixoto a aprovar as contas. "Querem que eu olhe as contas, mais de 300 caixas de documentos, em 24 horas. Vivemos um ano diferente dos outros. Estouraram acusações. É outra realidade. Alguém acha que é briga política porque não assumi presidência. Não é. Queremos fazer o certo. O Carlô (Carlos Antônio Lopes, diretor jurídico da CBF) não é metido a cassar decisão? Então que vá cassar essa lá", desafiou o dirigente catarinense.

Peixoto alega que recorreu ao judiciário para analisar o primeiro balanço financeiro da gestão Del Nero. As contas de 2015 foram feitas pelo próprio dirigente, que está sendo investigado FBI, pelo Comitê de Ética e também por um CPI do Senado por participar de um esquema de recebimento de propina na venda de direitos de torneios, e também por José Maria Marin, que comandou a entidade até abril. Marin cumpre prisão domiciliar nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.