CBF nega responsabilidade por ingressos

A CBF alega não ser responsável pelos prejuízos causados aos torcedores com a anulação dos 11 jogos do Campeonato Brasileiro, em resposta à Fundação Procon-SP.No documento enviado ao Procon-SP, dia 4, a CBF afirma que todo rendimento de arrecadação é contabilizado para os clubes e suas respectivas federações. Ainda afirma que cabe a entidade ?apenas coordenar o campeonato? e que esse tipo de espetáculo não pode ser considerado uma prestação de serviço.Por lei, o Código de Defesa do Consumidor, em seu artigo 20, entende que fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade do produto. A CBF diz ainda que a realização de novos jogos, com portões abertos, o consumidor terá sido ?duplamente beneficiado?, porque poderá assistir a nova partida sem ônus.O Procon mantém sua posição: ?por ser organizadora dos jogos, a CBF é enquadrada igualmente com as mesmas responsabilidades e deveres dos clubes?, explicou Paulo Arthur Goés, assistente técnico do Procon. Por conta disso, se forem confirmadas as infrações, o órgão de defesa do consumidor estuda abrir processo administrativo contra a CBF ? a multa pode variar de R$ 212,82 até R$ 3,2 milhões.

Agencia Estado,

13 de outubro de 2005 | 18h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.