Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

CBF negocia fim de amistosos e criação de novo torneio

Entidade busca um novo formato para o calendário internacional

Jamil Chade, em Londres, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2017 | 16h02

A Era dos amistosos está chegando ao seu fim para a seleção brasileira. A CBF negocia a criação de torneios que, depois da Copa da Rússia de 2018, preencheriam o calendário internacional. Nos próximos dias, o assunto fará parte de conversas entre federações em Londres e durante o encontro da Fifa, na Índia.

+ Conmebol recebe apoio da Europa para reconhecer intercontinentais de clubes

+ Fifa e Conmebol planejam homenagens a Pelé

A decisão da CBF de buscar um novo formato para o calendário internacional não ocorre por acaso. Na Europa, a Uefa já estabeleceu que, a partir de setembro de 2018, as seleções do continente deixarão de disputar amistosos e passarão a disputar o que está sendo chamado de Liga das Nações. O torneio permearia toda a temporada e preencheria as datas internacionais, até agora destinadas aos amistosos.

Inicialmente, tanto a CBF como a Conmebol tentaram frear a iniciativa, alegando que criaria uma divisão no mundo do futebol. Na prática, a proposta europeia impediria que a seleção brasileira pudesse disputar amistosos contra times europeus. Dois impactos diretos seriam sentidos: de um lado, o time brasileiro não seria testado contra as grandes equipes do mundo. De outro, não conseguiria gerar uma renda importante ao disputar amistosos fora do continente europeu.

O protesto da Conmebol e da CBF na Fifa, porém, não surtiu efeito. Afinal, um dos principais idealizadores do novo torneio europeu foi o então secretário-geral da entidade, Gianni Infantino. Hoje, ele é presidente da Fifa.

Agora, a nova proposta que começa a ganhar formato é a de uma participação do Brasil em um novo torneio internacional e que também acompanharia toda a temporada.

Uma das ideias que passa a ser discutida é de uma participação de times sul-americanos no torneio criado pelos europeus, numa espécie de triangular final entre os melhores das duas regiões. Mas os sul-americanos querem saber exatamente em que condições as seleções da região entrariam no evento.

Há, porém, quem resista a essa ideia. O risco seria o de ver reduzido o valor comercial e até impacto de uma Copa do Mundo, já que as mesmas seleções acabariam se enfrentando para uma espécie de título em outro torneio.

Outra possibilidade que se negocia é a de fechar um novo torneio entre times da América do Sul e da Ásia. Nesse caso, a possibilidade de confrontos com a China, Catar e outros pilares financeiros do futebol internacional poderia incrementar de forma importante a renda dos times sul-americanos.

Mas o que preocupa, nesse caso, é o risco de passar anos enfrentando times de uma espécie de segunda divisão do futebol mundial.

O assunto dominará a pauta dos dirigentes sul-americanos que, nesta semana estão em Londres para eventos da Fifa e que seguem em meados da semana para reuniões promovidas pela entidade na Índia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.