CBF promete guerra a clubes europeus

Primeiro, o técnico Luiz Felipe Scolari perdeu Cafu. Agora, corre o risco de ficar sem quatro atletas para o amistoso com o Panamá, dia 9, um treino-apronto para o jogo decisivo com o Paraguai, dia 15, pelas eliminatórias do Mundial de 2002. Rivaldo deve até se apresentar na data prevista, mas o Barcelona não quer que o jogador enfrente o Panamá. Já os clubes alemães Bayer Leverkusen, de Lúcio, Bayern de Munique, de Elber, e o Hertha Berlim, de Marcelinho Paraíba, enviaram hoje documento à Fifa, em que manifestam a intenção de não liberar os três atletas para o amistoso.Para o coordenador-técnico da seleção, Antonio Lopes, a questão com relação aos alemães é simples. "Nós enviamos fax à Fifa, e também para a Federação de Futebol da Alemanha, para reiterar que os jogadores devem estar no Brasil dia 7, senão os clubes estarão ferindo o Estatuto do Atleta e poderão ser punidos", declarou. Mas ele demonstrou um certo mal-estar ao tomar conhecimento de que os alemães estão dispostos mesmo a só ceder os jogadores após rodada do campeonato local, dias 8 e 9.Quanto a Rivaldo, Lopes disse que conversaria com dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) antes de emitir opinião. O Barcelona alega que o acordo feito com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, sobre a liberação do atleta sete dias antes das partidas finais pelas eliminatórias não dizia respeito à disputa de amistosos.Pelas normas da Fifa, os clubes são obrigados a dispensar os jogadores convocados para as seleções nacionais para a realização de até sete amistosos por ano. Em 2001, o Brasil só foi a campo três vezes para jogos não-oficiais.Lopes descartou a possibilidade de Scolari convocar outros atletas para uma eventual substituição de Lúcio, Elber e Marcelinho Paraíba. O treinador já não vai poder contar com Cafu, que teve de ser submetido a uma nova cirurgia nasal - havia operado antes no Brasil - e vai ficar dez dias fora de atividade. Para o seu lugar, Scolari relacionou o lateral Alessandro, do Atlético-PR.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.