CBF promete reestruturar a arbitragem

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não resistiu às pressões, provocadas pelo esquema de manipulação de resultados no Campeonato Brasileiro, e demitiu o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Armando Marques. Ele será substituído interinamente por Edson Resende de Oliveira. A decisão da entidade foi motivada pela postura de indiferença de Armando Marques com relação à crise que pôe em risco a credibilidade do futebol do País. Neste sábado ou no domingo, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anuncia a decisão sobre a validade ou não dos 11 jogos sob suspeição no Brasileirão ? tudo indica que o presidente do tribunal, Luiz Zveiter, determinará a nova disputa de todas partidas apitadas por Edílson Pereira de Carvalho.O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, explicou que Edson Resende de Oliveira, que era o vice-presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, terá o prazo de uma semana para reeestruturar o departamento. A primeira medida deve ser a da divisão de poder ? devem passar a responder pela arbitragem brasileira um colegiado, formado não necessariamente por ex-árbitros.A CBF informou que Armando Marques pediu demissão. Na verdade, o dirigente foi afastado do cargo em conversa rápida com o presidente da entidade. ?O importante é que estamos tomando medidas que demonstrem ao torcedor nossa disposição de manter a normalidade do Campeonato Brasileiro. A competição seguirá sem problemas, mesmo que o STJD determine a realização de novos jogos. Quem cair para a Série B, cairá. Quem subir da B para a primeira divisão, terá sua vaga assegurada ano que vem?, garantiu Ricardo Teixeira.O presidente da CBF também reforçou a ameaça de Luiz Zveiter de punição severa aos clubes que recorrerem à Justiça comum para tentar defender interesses relativos à eventual decisão do STJD de impugnar partidas do Brasileiro. ?Quem fizer isso, sofrerá sanção inesquecível?, avisou.A nova comissão de arbitragem terá um setor responsável parareceber denúncias, segundo informou Ricardo Teixeira. ?Tudo que chegar ao nosso conhecimento será apurado?, prometeu o presidente da CBF. ?Mas é preciso que as pessoas sustentem a denúncia.?O presidente da CBF disse ainda ser contrário à formação de uma CPI do Apito na Câmara de Deputados para apurar as recentes denúncias. ?A Polícia Federal já está agindo. O Ministério Público, também?, justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.